Efluentes

Mestre em Ecologia e Evolução (Unifesp, 2015)
Graduada em Ciências Biológicas (Unifesp, 2013)

Efluentes são despejos líquidos provenientes de atividades humanas e industriais. Embora alguns autores tratem também as emissões atmosféricas como efluentes, classificando-as como efluentes gasosos, aqui seguiremos a primeira abordagem.

Quando são despejados sem tratamento nos corpos d’água, os efluentes provenientes de qualquer fonte poluidora (doméstica, industrial, agropecuária, de aquicultura, entre outras) podem causar sérios danos ao meio ambiente (como a mortalidade de peixes, proliferação excessiva de algas, desequilíbrio do ecossistema aquático) e também à saúde humana (podendo provocar doenças como cólera, disenteria, meningite, amebíase, hepatites A e B, bem como a contaminação por metais pesados). Para evitar estes problemas, no Brasil, os efluentes só devem ser lançados nos corpos receptores após receberem tratamento adequado e desde que obedeçam aos padrões, condições e exigências estipulados pela Resolução CONAMA Nº 430/2011.

Os principais parâmetros utilizados para avaliar os efluentes são: níveis de sólidos em suas diversas frações, temperatura, cor e turbidez, potencial hidrogeniônico (pH), demanda bioquímica de oxigênio (DBO), demanda química de oxigênio (DQO).

Resídios líquidos produzidos por indústrias são chamados de Efluentes. Foto: KYTan / Shutterstock.com

Abordagens distintas devem ser consideradas para tratar efluentes provenientes de diferentes fontes, devido à variabilidade em suas composições. Mas, de maneira geral, o tratamento de efluentes pode ser dividido em três etapas:

Tratamento primário

Durante o tratamento primário realiza-se a remoção de materiais grosseiros, sólidos em suspensão (esta etapa também pode ser chamada de tratamento preliminar), sólidos sedimentáveis, parte da matéria orgânica e também o ajuste de pH. Se após esta etapa o efluente estiver de acordo com os padrões de despejo, pode ser lançado no corpo receptor. Caso não esteja, deve passar para outra unidade de tratamento a fim de receber o tratamento secundário.

Tratamento secundário

No tratamento secundário é realizada principalmente a degradação biológica de compostos orgânicos, acarretando também na decomposição de carboidratos, lipídios e proteínas em compostos mais simples como H2O, CO2, NH3, CH4, H2S etc., dependendo do processo predominante. Este processo é conduzido por microorganismos. A maior parte das estações de tratamento atinge somente o nível secundário.

Tratamento terciário

Por fim, o tratamento terciário tem como principal objetivo a remoção de nutrientes (fósforo e o nitrogênio), de compostos tóxicos e contaminantes específicos, além da desinfecção.

Referências:

Dezotti, M. Processos e técnicas para o controle ambiental de efluentes líquidos. E-papers. 2008.

Efluentes gasosos. CIMM. Acesso em: 28/09/2018

Macedo, C. & Sipaúba-Tavares, L. Eutrofização e qualidade da água na piscicultura: consequências e recomendações. Bol. Inst. Pesca. 2010.

Mendonça, S. & Mendonça, L. Sistemas sustentáveis de esgotos. Blucher. 2018.

Resolução CONAMA Nº 430/2011

Viterbo Jr., E. Sistema integrado de gestão ambiental. Aquariana. 1998.

Arquivado em: Ecologia