Plataformas de petróleo

Especialista (MBA) em Gestão da Qualidade Total (UFF, 2013)
Graduada em Química, Tecnóloga (Unigranrio, 2011)
Graduada em Ciências Biológicas (Unigranrio, 2006)

As plataformas de petróleo são utilizadas como suporte na perfuração e/ou produção de petróleo e gás natural. É constituída de uma grande estrutura que abriga os profissionais e os equipamentos necessários para a realização das suas atividades.

Para que uma plataforma execute suas tarefas são necessários colaboradores bem treinados. O ambiente de exploração do petróleo, seja na terra ou no mar, exige atenção redobrada devido ao risco de acidentes. Em uma plataforma podem ser encontrados profissionais das áreas de hotelaria, saúde, engenharia, técnica, segurança do trabalho, química, mergulho, entre outros.

Plataforma de Petróleo. Foto: marchello74 / Shutterstock.com

Existem vários tipos de plataformas que são destinadas de acordo com a sua funcionalidade. Cada campo de petróleo possui a sua particularidade, e assim, demanda um tipo de plataforma que esteja conforme as suas características. Os modelos podem ser do tipo fixo, flutuantes ou complacentes. As descrições das principais plataformas podem ser observadas a seguir:

Plataforma fixa

Possui a função de perfuração e produção. É adequada para águas rasas, alcançando até 300 m de profundidade. É projetada para tempos longos de funcionamento, com isso é fixada por meio de estacas de aço no fundo do mar.

Plataforma autoelevável

É empregada na perfuração de poços. É utilizada em águas rasas com alcance de aproximadamente 150 m de profundidade. Seu design é formado por uma balsa com três ou mais pernas que se deslocam quando necessário. Dessa forma, a plataforma pode mudar de lugar quando houver necessidade, por meio de um reboque ou por propulsão própria.

Plataforma semissubmersível

É uma plataforma projetada com a função de perfuração e produção, com alcance de mais de 2000 m de profundidade. É constituída por conveses apoiados por colunas em flutuadores submersos. Com isso, pode mudar de região de maneira mais ágil. Sua estabilidade é realizada através de ancoragem e de posicionamento dinâmico com motores colocados no casco.

Plataforma navio-sonda

É uma plataforma flutuante de perfuração com alcance de aproximadamente 2000 m de profundidade. Sua estabilidade é obtida por meio de sensores acústicos e propulsores, que interrompem as ações das ondas e dos ventos.

Plataforma FPSO (Floating Production Storage Offloading)

Sua operação está destinada à produção, armazenamento e transferência do óleo bruto. É utilizada em águas profundas e ultraprofundas. O transporte do óleo extraído é realizado por navios-aliviadores e o gás por meio de dutos.

Plataforma FPSO Monocoluna

É uma plataforma destinada à produção, armazenamento e transferência do óleo bruto, sendo usada em águas ultraprofundas. Seu casco é redondo, promovendo maior estabilidade. Sua tecnologia inovadora permite que a água entre na parte central do casco diminuindo os efeitos das ondas. Esse modelo é pioneiro no mundo.

Plataforma TLWP

É uma plataforma de produção com profundidade de trabalho de até 1500 m. É flutuante quase fixa, pois possui pernas que se fixam no fundo do mar. É um modelo promissor na exploração de petróleo na camada de pré-sal.

No Brasil as plataformas são essenciais para a produção offshore, principalmente após a descoberta da camada de pré-sal. De acordo com as estimativas do Plano de Negócio e Gestão da Petrobrás 2017 – 2018, estão previstas 15 novas plataformas para os campos da Bacia de Santos. Um avanço para o acréscimo da produtividade no setor de óleo e gás.

Veja no site da Petrobras fotos e ilustrações dos tipos de plataformas mencionados:

Fontes:

http://www.metalica.com.br/o-incrivel-mundo-das-plataformas-de-petroleo

http://www.petrobras.com.br/infograficos/tipos-de-plataformas/desktop/index.html

http://www.isiengenharia.com.br/wordpress/espaco-do-engenheiro/o-mundo-das-plataformas-de-petroleo-2

http://www.opetroleo.com.br/petrobras-preve-15-novas-plataformas-no-pre-sal-da-bacia-de-santos/

http://www.qgep.com.br

Arquivado em: Economia