Paládio

O paládio (Pd) é um metal de transição externa do grupo 10 da tabela periódica. Possui número atômico Z = 46 (prótons e elétrons) e massa atômica ponderada igual a 106,42 u (calculada tomando os isótopos Pd-102, Pd-104, Pd-105, Pd-106, Pd-108 e Pd-110, com respectivos 1,02%, 11,14%, 22,33%, 27,33%, 26,46% e 11,72% de abundância).

Nas condições ambiente é sólido, de aparência branco-prateada de brilho metálico (essa aparência mantém-se indefinidamente, mesmo se exposto ao ar, já que é pouco reativo com o oxigênio – pouco oxidável).

Propriedades Físico-químicas

Esse metal apresenta retículo cristalino com arranjo do tipo cúbico de faces centradas (cfc). Os estados de oxidação mais comuns são o +2 e +4, embora +1 e +6 também sejam observados. A eletronegatividade vale 2,2 na escala Pauling.

É muito denso, 12023 Kg/m³, e os respectivos valores de ponto de fusão e ebulição giram em torno de 1550°C e 3140°C – mostrando que o arranjo do retículo possui estabilidade tal que para modificar essa estrutura muita energia é requerida no processo de fusão.

Também é um bom condutor de calor (conduz praticamente o mesmo que o ferro) e de eletricidade (também conduzindo quase o mesmo que o ferro).

Ocorrência e aplicação

O paládio quase sempre é encontrado na natureza associado à platina ou outro metal de mesmo grupo, com concentração não muito expressiva: na crosta terrestre, apresenta-se com concentração média de 0,01 ppm (gramas por tonelada de terra).

Alguns minérios podem possuir pequena quantidade de paládio na sua composição, a exemplo da molibdenita e ferrimolibdita.

As principais reservas se encontram na Sibéria, Canadá e África do Sul. Outros depósitos são vistos na Colômbia e Alasca que, apesar de serem menores tais como vários outros, são mais economicamente viáveis para extração.

As principais aplicações são:

  • Utilização como catalisador heterogênio de reações (é um ótimo adsorvedor de hidrogênio; assim como, é empregado na destilação de componentes do petróleo e na fabricação de conversores catalíticos dos automóveis);
  • Fabricação de contatos eletromecânicos (como relays);
  • Na odontologia, para reparos nos dentes (próteses);
  • Na medicina, em geral, sob forma de instrumentos cirúrgicos;
  • Sob forma de dicloreto de paládio, absorve monóxido de carbono. Sendo, então, utilizado em detectores desse gás;
  • Como liga com o ouro (junto a outros metais, como prata ou níquel), gerando por consequência o “ouro-branco”.

Seu preço de venda é, em geral, um terço do valor do preço de venda do ouro 24 quilates (praticamente puro).

Bibliografia:
http://nautilus.fis.uc.pt/st2.5/scenes-p/elem/e04695.html (acesso em 09/06/2011)
http://www.mspc.eng.br/quim1/quim1_046.asp (acesso em 09/06/2011)

Arquivado em: Elementos Químicos