Grande Fome da Irlanda

Mestra em História (UFRJ, 2018)
Graduada em História (UFRJ, 2016)

O termo Grande Fome, quando relacionado ao acontecido na Irlanda, refere-se ao período de penúria nos anos finais da década de 1840, que matou cerca de um milhão de pessoas no país e forçou à emigração outro milhão.

A Grande Fome da Irlanda foi marcada por uma falha catastrófica na colheita do alimento básico da dieta irlandesa: a batata. Após chegar no país no final do século XVI, o tubérculo tornou-se rapidamente popular para a dieta tanto de seres humanos quanto animais devido à facilidade de seu crescimento no solo úmido da região. Tal popularidade, porém, já se transformara em dependência no início do século XIX, permitindo um perigoso cenário no caso de algum problema com a safra.

Causa: praga biológica

Em 1845, uma praga biológica – recentemente descoberta ter sido uma estirpe específica do fungo Phytophthora infestans, também conhecido como míldio de batata – se alastrou pelas plantações de batata da Irlanda, causando o apodrecimento precoce da parte da safra afetada. Como as batatas irlandesas sofriam com falta crônica de variedade genética, sendo na verdade idênticas entre si, rapidamente a praga espalhou-se por todo o país, afetando as colheitas de 1845 e 1846. Como não havia como vender as batatas apodrecidas, os proprietários de terra não tinham como pagar o trabalho dos camponeses, que foram dispensados.

Embora o governo britânico intervisse com medidas emergenciais de socorro, empregando os camponeses em questão em serviços na área da construção, a fome se espalhava pelo país e as condições se agravavam. Em 1846, ocorreria o primeiro de dois invernos seguidos extremamente rigorosos. Novamente, o governo interviu, mas em 1847 já não existiam muitos recursos para a ajuda humanitária. Não podendo arcar com os preços dos aluguéis, muitos arrendatários – em sua maioria católicos proibidos de adquirir terras pelo governo britânico - foram despejados ou simplesmente abandonavam as terras.

Saída pelo Atlântico

Em tais condições, a emigração tornou-se uma saída, mesmo diante dos perigos da travessia pelo Atlântico. Milhares de navios fizeram a viagem, carregando dezenas de milhares de irlandeses fragilizados pela fome. Uma parcela considerável morreria ainda no oceano. Mesmo assim, tantos conseguiram chegar aos Estados Unidos e ao Canadá que, em 1850, existiam mais irlandeses em Nova York do que na capital da Irlanda, Dublin.

Doenças e mortes

Os que ficaram na Irlanda passariam a sofrer não apenas com a fome, mas também com doenças. A partir de 1847, a terceira safra fracassada seria acompanhada por uma série de epidemias, como de escorbuto, tifo e disenteria. Em 1849, a essas doenças se juntou um forte surto de cólera, que sozinho matou quase 40.000 pessoas.

Esculturas em Dublin em homenagem às vitimas da Grande Fome. Foto: Nigel Jarvis / Shutterstock.com

Recuperação

Em 1850, finalmente, a praga cedeu. A população lentamente se recuperou, e o governo os beneficiou economicamente ao perdoar todas as dívidas feitas durante os anos anteriores. Mesmo assim, a Grande Fome da Irlanda deixou como um de seus legados uma forte desconfiança dos irlandeses em relação ao governo central, uma vez que a crise fora agravada pela política britânica em relação à posse de terras por irlandeses católicos. Apenas em 1994, porém, o então primeiro-ministro Tony Blair emitiu o primeiro pedido de desculpas oficial a respeito. A demora do governo britânico em se auto responsabilizar pode ser diretamente associada às crescentes tensões entre a Irlanda e o governo central que, em última instância, gerou a autonomia da parte sul do país em relação ao Reino Unido em meados do século XX.

Outro legado da Grande Fome da Irlanda é fruto da emigração às Américas. Hoje, nos EUA, mais de 40 milhões de pessoas afirmam descender diretamente dos irlandeses que desembarcaram dos navios ao final da década de 1840. Entre eles, encontram-se membros de famílias célebres como os Astor, os Kennedy e os Obama.

Bibliografia:

https://jornalggn.com.br/noticia/o-que-teria-causado-a-fome-da-batata-na-irlanda-do-sec-xix/

https://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/102002726

https://engrenagensdahistoria.wordpress.com/2017/11/22/a-grande-fome-irlanda-do-seculo-xix/

https://www.ib.usp.br/evosite/relevance/IIAmonoculture.shtml

https://www.publico.pt/2013/05/22/jornal/identificado-fungo-responsavel-pela-grande-fome-na-irlanda-no-seculo-xix-26568022

Arquivado em: História da Europa