Guerras indígenas no Brasil Colônia

Graduada em História (UFRJ, 2016)

É de conhecimento de todos que quando Pedro Álvares Cabral chegou ao Brasil havia nativos morando e vivendo nestas terras. O que poucos sabem é que o nome índio, dado aos nativos, se refere ao fato de que quando Cristóvão Colombo chegou na América, ele acreditou que havia chegado às Índias; logo, quem aqui já vivia eram os índios. E também é uma nomenclatura genérica já que remete a ideia de que a população nativa que aqui se encontrava homogênea, ou seja, tinha a mesma cultura, os mesmos costumes, ideia totalmente equivocada como foi estudado pelos historiadores. Apesar de algumas semelhanças entre elas, havia muito diferença entre as diversas tribos. Pode-se dizer que essas diferenças geravam conflitos entre os índios. A título de estudo, a população ameríndia foi dividida em dois grandes grupos: os tupis-guaranis que viviam no litoral brasileiro; e os tapuias, que viviam no interior entre a Bahia e o Maranhão.

Importante ressaltar que há também a ideia errônea de que a relação entre europeus e índios se baseava apenas na mão de obra para a exploração do pau-brasil. Não só as mortes de milhares de nativos por conta de doenças trazidas pelos europeus fazem parte dessa relação.

Estudos mostram que alianças foram feitas entre portugueses e outros europeus, como os franceses, e determinadas tribos indígenas. Essas alianças eram fundamentais para a conquista e colonização de um território tão hostil. Só assim foi possível colonizar o território brasileiro. Vê-se também que a guerra e os conflitos eram práticas recorrentes entre tribos por conta da diversidade de culturas disputando territórios. Com a finalidade também de acabarem com seus inimigos, algumas tribos se aliavam aos portugueses e, assim, estes conseguiam indígenas para trabalharem.

Exemplo importante dessas alianças foi a expulsão dos franceses do Rio de Janeiro. Os franceses, com apoio dos Tamoios haviam invadido a região e os portugueses, com a ajuda dos índios Temiminós, conseguiram expulsá-los. “Pacificar os Tamoios e acabar de vez com a presença dos franceses constituía o grande plano cuja solução não deveria tardar.” (SERRÃO, 1965). Historiadores afirmam que os Tamoios eram em maior número que os Temiminós, tornando o exército francês um inimigo difícil de combater. Os combates levaram alguns anos até a expulsão total dos franceses em 1567. Como recompensa pela luta, os portugueses concederam aos Temiminós uma sesmaria que veio a se tornar Niterói.

No século XVIII ocorre a Guerra Guaranítica, no sul do Brasil, onde os índios lutaram contra os espanhóis e portugueses, se recusando a mudar de território. Ocorreram outras guerras no nordeste como no século XVI, quando o governo-geral da Bahia declarou guerra aos Tupinambás e constituíram sólida aliança com os Tupiniquins, conseguindo, assim, forte proteção territorial contra invasões com, pode-se dizer, um exército praticamente indígena.

Portanto, se pode concluir que ocorreram muitas batalhas e guerras tanto entre tribos quanto entre nativos e europeus.

Referências Bibliográficas:

*SERRÃO, Joaquim Veríssimo. O Rio de Janeiro no século XVI, Estudos Históricos, v.1, Edição da Comissão, 1965.

AMORIN, Bruno Abrantes. Temiminós e Lusitanos na Conquista da Guanabara. ANPUH – XXIII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – Londrina, 2005.

FREIRE, Carlos Augusto da Rocha; OLIVEIRA, João Pacheco de. A Presença Indígena na Formação do Brasil. Brasília, novembro de 2006.

Arquivado em: Brasil Colônia