Imigração alemã em Santa Catarina

Licenciatura Plena em História (Faculdade JK-DF, 2012)
Pós-graduação em História Cultural (Centro Universitário Claretiano, 2014)

Publicado em 10/04/2019

A imigração Alemã em  Santa Catarina começou em torno de 1828. Essa região foi ocupada por alemães que vieram de diversas partes da Alemanha. Eles foram os primeiros europeus imigrantes no Brasil, depois dos portugueses.

Quando D. Pedro I concordou com o noivado de sua filha Francisca de Bragança (irmã de D. Pedro II) com o príncipe Fernando de Orleans, o governo brasileiro sancionou a lei que declarava que as terras da província de Santa Catarina, entre os rios  Pirabeiraba,  Itapocu e baía de São Francisco pertenciam a ela. Foi então que essa região ganhou o nome de colônia da Dona Francisca (atual Joinville).

Em 1843 a região era praticamente vazia, exceto a orla da praia que era ocupada pela Marinha. Em 1849, foi firmado um acordo efetivo com o senador Schroeder de Hamburgo para a ocupação dessas terras.

Nessa época havia somente 17 famílias residindo na região do Vale do Itajaí. A casa mais perto de onde seria a colônia de Blumenau era a da Família Wagner. Eles foram quem receberam e hospedaram o alemão protetor dos imigrantes Hermann Blumenau, que posteriormente receberia as terras do Rio Itajaí.

Hermann se aliou ao comerciante Ferdinando Hackradt que vivia em Desterro e juntos combinaram fundar uma empresa de agricultura e indústria. Eles acordaram que Hermann Blumenau iria buscar os alemães para trabalhar nela e enquanto isso, Hackradt ficava na região e comandava os escravos para que eles iniciassem as construções de ranchos, roças e engenhos.

Como Hermann demorou dois anos para voltar da Alemanha, Hackradt retornou para Desterro e saiu da sociedade. Comunicou ao sócio que a região estava ameaçada de enchente e que a empresa não daria lucro algum. Hermann não desistiu e conseguiu um pequeno grupo de pessoas que trouxeram algumas mudas de plantas para imigrarem Santa Catarina.

Ao chegar, se depararam com um ambiente isolado com apenas um engenho de serra inativo, algumas cabanas, escravos e algumas vacas. Nesse instante Hermann, seu sobrinho e mais dezesseis pessoas começaram a colônia de Blumenau. Construíram uma igreja protestante, ranchos e plantações. Os moradores da vinhaça ajudaram estes com dicas de adaptação e plantio, para receberem os próximos 250 alemães que viriam.

A colônia de Blumenau foi ocupada e desenvolvida na mesma época da colônia da Dona Francisca. Os alemães tinham praticamente a mesma origem e vinham do norte, nordeste e média Alemanha. A partir dessa colônia surgiram cidades importantes do estado como: Blumenau, Pomerode, Gaspar, Indaial e Rio do Sul.

A colônia Itajaí foi fundada em 4 de Agosto de 1860 por 55 alemães liderados pelo Barão austríaco Maximilian von Schneeburg. Eles chegaram com pequenas embarcações e foram construindo pequenos engenhos de farinha. A maioria dessa população vinha do norte e nordeste alemão, mas também tinha alguns de Baden e Hessen sul da Alemanha e poloneses  que falavam alemão da Prússia oriental. Atualmente essa localidade é sede da cidade de Itajaí.

Em 1910 foi a vez dos alemães colonizarem o Oeste catarinense, mas a grande migração foi em 1930. Esses colonizadores já residiam no Brasil e era na maioria netos dos imigrantes que saíram do Rio Grande do Sul para ocuparem novas terras em Santa Catarina. Formaram a Treze-Tílias uma das melhores colônias no Brasil em termos de prosperidade.

O sul de Santa Catarina também teve ocupação alemã, alguns vindos de velhas colônias da região Florianópolis e algumas vindas do Rio Grande do Sul. Atualmente o estado Santa Catarina é considerado um dos melhores lugares para se viver no Brasil, com os maiores índices de desenvolvimento.

Leia também:

Referências:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Imigra%C3%A7%C3%A3o_alem%C3%A3_em_Santa_Catarina

https://pt.wikipedia.org/wiki/Santa_Catarina

https://sulistaconservador.wordpress.com/2012/05/17/a-imigracao-alema-em-santa-catarina/