Manifesto dos Mineiros

Graduada em História (UVA-RJ, 2014)

O Manifesto dos Mineiros foi lançado publicamente em outubro de 1943. O texto defendia o fim da ditadura varguista e a implementação da democracia. O manifesto foi assinado por 92 indivíduos que integravam a elite mineira, de famílias respeitadas e com histórico político. O escrito redigido pelos mineiros possuía principalmente ideais liberais.

A ditadura de Getúlio Vargas estava insustentável para a população, o governo realizou medidas drásticas: a censura total da imprensa e do rádio, partidos políticos caso conseguissem se formar eram cassados, a Justiça Federal e o Congresso Nacional foram fechados, entre outras medidas.

Trecho do Manifesto dos Mineiros. Fonte: CPDOC/FGV.

Em 1942, movimentos estudantis saíam às ruas para manifestar o desejo da adesão à frente dos Aliados pelo o governo, durante a Segunda Guerra Mundial. Tais manifestações ocorreram em plena ditadura, iniciada em 1937 com o Golpe de Estado idealizado por Getúlio Vargas. O golpe realizado por Vargas foi em cima da Revolução que ele mesmo provocou em 1930. Dentro do seu novo governo formulou uma nova Constituição para dar legitimidade ao seu governo. As manifestações dos estudantes foram o primeiro passo de democracia na ditadura de Vargas.

Sendo assim, no ano de 1943 após várias reuniões em Minas Gerais e no Rio de Janeiro, os mineiros elaboraram o manifesto inicialmente com o nome de Manifesto ao Povo Mineiro, que por fim ficou chamado de Manifesto dos Mineiros. Mais de 50 mil exemplares foram impressos numa gráfica em Barbacena, no estado de Minas Gerais.

Como a ditadura varguista possuía mão de ferro sobre os que iam contra seu governo, todas as ações dos mineiros foram clandestinas: as reuniões, a impressão dos folhetos e sua distribuição. A divisão dos manifestos impressos foram realizadas com o máximo de descrição, direto nas mãos do povo ou colocados embaixo na portas das casas.

O Manifesto dos Mineiros teve grande relevância contra a ditadura de Getúlio Vargas, pois foi o primeiro ato escrito e formalizado contra o governo. Outro fator importante para o sucesso do manifesto são as assinaturas da elite mineira. Como seus integrantes eram conhecidos pela população, o manifesto teve grande aceitação entre o povo.

Apesar do manifesto possuir grande significado histórico contra o governo de Getúlio Vargas, não teve êxito, pois sofreu represália imediata de Vargas. Como os integrantes do manifesto eram conhecidos pela população, o governo decidiu responder o manifesto com ações brandas para não despertar insatisfação da população. Os integrantes foram destituídos dos seus cargos públicos ou perderam seus empregos.

O Manifesto do Mineiros foi o primeiro de uma sequência de mais dois anúncios que possuíam o mesmo viés político; a Carta aos brasileiros em dezembro do mesmo ano e a Declaração de Princípios do I Congresso Brasileiro de Escritores, de janeiro de 1945.

Referências bibliográficas:

EFECADE. 1943 - Manifesto dos Mineiros. Disponível em: < http://www.efecade.com.br/1943-manifesto-dos-mineiros/>.

FGV CPDOC. Manifesto dos Mineiros. Disponível em: <http://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/AEraVargas1/anos37-45/QuedaDeVargas/ManifestoDosMineiros>.

O tempo opinião. Um olhar sobre o Manifesto dos Mineiros 70 anos depois. Disponível em: <http://www.otempo.com.br/opini%C3%A3o/f%C3%A1tima-oliveira/um-olhar-sobre-o-manifesto-dos-mineiros-70-anos-depois-1.741431>.

CAPELATO, Maria Helena. O Estado Novo: o que trouxe de novo? In: FERREIRA, Jorge. & DELGADO, Lucila de Almeida Neves. (org.). O Brasil Republicano O tempo do nacional- estadismo: do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

MELO, Afonso Arinos de Mello. A alma do tempo. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1979.

Arquivado em: Era Vargas