Histórias de Canções: Vinícius de Moraes

No ano em que Vinícius de Moraes estaria completando 100 anos, é lançada a obra Histórias de Canções: Vinícius de Moraes. Logo no início do livro os autores lançam uma questão: ele é mais famoso por seus versos ou pelas suas músicas? Esta intrigante reflexão traduz a dupla natureza da arte do poeta e compositor, carinhosamente apelidado de Poetinha.


Um caminho para encontrar a solução deste dilema é proposto por um dos escritores, Wagner Homem, em entrevista ao Correio. Ele afirma que, como a composição musical é normalmente mais celebrizada do que a poética, sua recepção abrange um maior número de pessoas. Mas, por outro lado, até os membros da Academia reconheceram o valor de seus poemas. Prova disso é que o poeta é o brasileiro mais traduzido em todo o Planeta.

De acordo com as palavras do coordenador editorial da Coleção Vinicius de Moraes, Eucanaã Ferraz, Vinícius foi criado em um contexto onde a música predominava. Por esta razão, nele nasceu precocemente o dom de compor. Mas, ao ingressar no meio acadêmico, mais especificamente na Faculdade de Direito, ele foi de certa forma influenciado por este ambiente e, assim, distanciou-se do universo da canção e optou pela criação de versos convencionais. E, nesta época, a década de 30, a moda popular e os versos trilhavam veredas divergentes.

O cognome Poetinha foi conferido a Vinícius por seus críticos, os quais rotulavam desta forma todos os poetas que abandonavam o dogma e partiam à procura de um modelo mais prosaico, como, por exemplo, a canção popular. Infelizmente para eles, o apelido se converteu em uma manifestação de afeto dos seus fãs e não há quem o vincule mais ao seu sentido original.

Os próprios autores estão conectados ao universo musical. Wagner já se debruçou sobre a vida de outros compositores, como Toquinho, Chico Buarque, entre outros. Apesar disso, os poemas de Vinícius encantaram igualmente o escritor, ele tem o prazer de não somente ouvir suas canções, mas igualmente de ler suas poesias. Bruno, por outro lado, é cantor e compositor.

Wagner Homem é jornalista. Ele edita o site de Chico Buarque, de quem é amigo há muito tempo. O autor nasceu na cidade de Catanduva, no interior de São Paulo, em 8 de fevereiro de 1951. Ele se graduou na Fundação Getúlio Vargas - Escola de Administração de Empresas de São Paulo, na turma de 1986. Hoje o escritor reside em São Paulo. É também autor do livro Histórias de Canções – Chico Buarque.

Bruno de la Rosa nasceu no dia 24 de fevereiro de 1987, na cidade de Santos, em São Paulo. Ele encontrou por si próprio a paixão pela musicalidade ao ouvir os CDs do tio, entre eles pérolas do jazz e da música clássica, além de algumas coisas do Poetinha e de Toquinho. Também é cantor e compositor.

Fontes:
http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/especiais/para-viver-um-grande-amor/2013/10/03/interna_paraviverumgrandeamor,391476/versos-tornaram-vinicius-de-moraes-um-dos-autores-mais-traduzidos
http://www.brunodelarosa.com.br/biografia/
http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/2746900
https://www.facebook.com/wagner.homem/about

Arquivado em: Livros