Intervalo

Graduado em Matemática (FMU-SP, 2018)

Em matemática, podemos representar conjuntos, subconjuntos e soluções de equações pela notação de intervalo. Intervalo significa que o conjunto possui cada número real entre dois extremos indicados, seja numericamente ou geometricamente. Não é possível representar subconjuntos ou conjuntos que não sejam reais (ou contidos nos reais) pela notação de intervalo.

Vamos, por exemplo, dizer que o conjunto A é um subconjunto dos números naturais e que será representado por:

Note que qualquer elemento de A pertence ao conjunto dos naturais, porém é um absurdo dizer que nos naturais existem números entre 1 e 2, ou seja, em ℕ não existe o número 1,5 , por exemplo. Então, neste caso, dizemos que o conjunto A é vazio. E será representado por:

Logo não é correto dizer que A = [1,2]. A não é um subconjunto dos números reais, então nem todos os números possíveis estão no intervalo quaisquer números naturais, ou inteiros ou racionais.

Mas, se A fosse um subconjunto dos reais, poderíamos dizer que:

O que geometricamente representamos:

Notações

1. Dizemos que um intervalo é aberto quando seus extremos não estão incluídos. Exemplo:

Geometricamente representamos por uma bolinha branca indicando o elemento não incluído:

O intervalo também é aberto quando indicamos apenas um dos extremos e o outro pode ser uma infinidade de elementos à direita () ou à esquerda (). Ou seja:

Toda ocasião em que um extremo for uma infinidade de elementos, este sempre será um extremo aberto.

2. Um intervalo fechado é aquele em que seus extremos são incluídos:

Na reta, o elemento incluído será uma bolinha preta:

 3. Dizemos que um intervalo é semiaberto ou semifechado quando um de seus extremos são incluídos, ou seja:

E também com extremos ao infinito:

Podemos também assumir que, se um intervalo é um subconjunto dos números reais, é possível realizar algumas operações entre intervalos, tais como união e interseção de intervalos. Supondo que tenhamos dois intervalos: [a, b] e [c, d] e que d > c > b > a.

A união dos intervalos será dada por:

E geometricamente representamos:

E a sua interseção é vazia, pois não existem elementos comuns em ambos os intervalos:

Vamos tomar um exemplo com valores. Supondo os intervalos [1,5] e [2,7]. A sua união será:

Se representarmos na reta, vemos que seus elementos estão ligados linearmente:

Então a sua união será a “soma” de todos os elementos de seus intervalos, resultando em um intervalo único de 1 a 7. Porém, a sua interseção será dada por:

Geometricamente vemos que existe um intervalo entre eles que é composto pelos elementos que são comuns em ambos, no caso, o intervalo [2,5], veja:

Concluindo: Intervalos serão sempre subconjuntos dos números reais, o que nos garante a validade de todas as propriedades e operações da teoria dos conjuntos. A representação geométrica de um intervalo é muito importante pois podemos observar o comportamento dos intervalos, facilitando a sua classificação e as suas possíveis operações.

Referências Bibliográficas:

LIMA, Elon Lages. Um Curso de Análise: Volume 1. Rio de Janeiro: IMPA, 2017.

GUIDORIZZI, Hamilton L. Um Curso de Cálculo: Volume 1. Rio de Janeiro: Editora LTC, 2001.

Arquivado em: Matemática