Morfologia interna da raiz

Doutorado em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente (Instituto de Botânica de São Paulo, 2017)
Mestrado em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente (Instituto de Botânica de São Paulo, 2012)
Graduação em Biologia (UNITAU, 2006)

As principais funções das raízes são fixação das plantas no substrato e absorção de água e sais minerais. Entretanto, outras funções como condução e armazenamento também podem estar associadas com as raízes. Os tecidos que compõem a estrutura primária da raiz são a epiderme, que corresponde ao sistema de revestimento, o córtex, que é o tecido fundamental, e os tecidos vasculares, dos quais fazem parte o xilema e o floema. Os tecidos vasculares podem encontrar-se organizados como um cilindro sólido ou estarem ao redor de uma medula central.

A epiderme fornece uma importante proteção mecânica devido a organização de suas células, que permanecem compactamente dispostas. Nesse tecido estão localizados os pelos radiculares, que são extensões tubulares das células da epiderme, cuja função é aumentar a área de absorção da raiz. Geralmente a epiderme das raízes não apresenta estômatos ou tricomas.

A maior parte do corpo primário da raiz é ocupado pelo córtex. As células do córtex usualmente armazenam amido no seu interior, porém raramente ocorre a presença de clorofila. Nas monocotiledôneas, plantas que não exibem crescimento secundário, as células do córtex desenvolvem paredes secundárias, tornando-as lignificadas. Neste tecido estão presentes diversos espaços de ar entre as células, o que permite a aeração da raiz.

A endoderme, a camada mais interna do córtex, é formada por células dispostas de forma compacta. Nesta camada encontra-se as estrias de Caspary, que é uma faixa ao redor das células composta por suberina e, algumas vezes, lignina. Essas moléculas se infiltram na parede celular e passam a ocupar o lugar da água, tornando essas estrias impermeáveis. O movimento dos solutos que ocorre de forma apoplástica, ou seja, pelas paredes celulares, são bloqueados quando chegam nessa região. Logo, toda substância para entrar e sair do tecido vascular tem que passar por dentro das células da endoderme.

No cilindro vascular há uma camada de células ao redor do xilema e do floema, chamada de periciclo. O periciclo está envolvido com a produção das raízes laterais e, nas plantas que apresentam crescimento secundário, contribui para a formação dos meristemas responsáveis por este crescimento. Geralmente o xilema está localizado no centro do cilindro vascular, do qual partem projeções pontiagudas em direção ao periciclo. O floema se encontra entre essas projeções. Nas raízes de algumas espécies de monocotiledôneas ocorre a presença de uma medula central.

O procâmbio é um tecido meristemático localizado entre o xilema e o floema. Ele está relacionado com a formação desses tecidos, sendo que o xilema é produzido a partir das células internas e o floema das externas. O crescimento secundário nas plantas é mediado pelos tecidos meristemáticos denominados câmbio vascular e felogênio. O felogênio é gerado a partir das células meristemáticas do periciclo, enquanto que o câmbio vascular além de ter origem no periciclo, também pode ser formado a partir do procâmbio.

Referências bibliográficas:

Raven, P.; Evert, R.F. & Eichhorn, S.E. 2007. Biologia Vegetal. 7ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 830 p.

Souza, L.A. 2009. Morfologia e anatomia vegetal: células, tecidos órgãos e plântula. Ponta Grossa: Ed. UEPG, 259 p.