Compostos de Boro

Licenciatura Plena em Química (Universidade de Cruz Alta, 2004)
Mestrado em Química Inorgânica (Universidade Federal de Santa Maria, 2007)

O elemento químico boro possui número atômico 5 e massa atômica 10,811; e símbolo B. Apresenta densidade igual a 2,34 quando amorfo; quando em estado cristalino, mais puro, é muito duro, apresenta brilho quase metálico e densidade igual a 3,3. Possui ponto de fusão de 2.300º C e volatiliza-se brandamente. Em estado puro o boro não possui muita aplicabilidade, mas na forma de ácido bórico e bórax passa a encontrar grande aplicação na indústria. Na eletrônica, é usado como semicondutor, uma vez que sua condutividade elétrica aumenta com o aumento da temperatura. O boro pode se combinar tanto com elementos metálicos quanto não metálicos, para formando compostos covalentes, já que em nenhum caso dá origem a estados iônicos, cátions (íons de carga positiva) ou ânions (íons de carga negativa).

Ácido bórico

Conhecem-se hoje vários ácidos derivados do elemento químico boro, conhecidos como bóricos, todos derivados do anidro bórico, porém, aquele de maior relevância é o H3BO3, ácido orto-bórico, que no passado era obtido por condensação dos vapores vulcânicos que saem, com temperatura entre 90º e 120º C, das fumarolas existentes no denominado Maremma de Toscana, arrastando assim pequenas quantidades desse ácido. Posteriormente o ácido bórico passou a ser obtido a partir dos boratos de cálcio, existentes naturalmente nos Estados Unidos (na Califórnia) e na América do Sul.

O ácido bórico possui caráter ácido muito fraco e antigamente era utilizado na medicina, principalmente como anti-séptico e na conservação de alguns alimentos. Essa pratica é hoje proibida ou contra-indicada em vista das conhecidas propriedades tóxicas desse ácido. O ácido bórico é também utilizado na fabricação de vidros e, particularmente, nos esmaltes para cobertura de chapas metálicas, a fim de sua capacidade de resistência ao calor.

Bórax

Outro importante derivado do elemento químico boro é o tetraborato de sódio (Na2B4O7), conhecido simplesmente como bórax.  O bórax existe na natureza sob a forma de tincal (mineral monoclínico, borato de sódio hidratado), que contém em média 55% de bórax (tetraborato de sódio decaidratado, Na2B4O7.10H2O). Obtém-se hoje naturalmente o bórax sob a forma de cristais incolores, ligeiramente solúveis em água fria e mais solúvel em água quente, sendo que suas soluções são alcalinas.

O bórax quando fundido possui a propriedade de dissolver alguns óxidos metálicos, formando compostos de coloração definida, sendo usado em química analítica em ensaios conhecidos como pérola de bórax, os quais visam a identificação desses metais através de sua coloração. Usam-se atualmente grandes quantidades de bórax na fabricação de esmaltes, vidros ópticos; na fabricação de sabão e de óleos secantes; no enrijecimento de pavios de vela; para acetinar papel, baralhos etc; entre outras aplicações.

Referências:
SARDELLA, Antônio; MATEUS, Edegar; Curso de Química: química geral, Ed. Ática, São Paulo/SP – 1995.
RUSSELL, John B.; Química Geral vol.1, São Paulo: Pearson Education do Brasil, Makron Books, 1994.
MAHAN, Bruce M.; MYERS, Rollie J.; Química: um curso universitário, Ed. Edgard Blucher LTDA, São Paulo/SP – 2002.

Arquivado em: Compostos Químicos