Calendário menstrual

Doutora em Ciência Animal (UFG, 2020)
Mestrado em Ciências Veterinárias (UFU, 2013)
Graduação em Ciências Biológicas (UEG, 2010)

O calendário menstrual é uma ferramenta antiga utilizada para verificar as modificações no corpo da mulher ao longo do ciclo menstrual. Hoje existem diversos aplicativos com essa função, os quais facilitam a anotação de todas as mudanças percebidas pela mulher ao longo do ciclo e ainda é capaz de fazer predições sobre eventos importantes, como o período fértil ou a data da próxima menstruação.

Ciclo menstrual

O ciclo menstrual é o período entre o primeiro dia de uma menstruação e o último dia antes da próxima menstruação. Nas mulheres que possuem um ciclo regular ele dura de 25 a 35 dias, mas a média geral é de ciclos com 28 dias.

Durante esse período existem várias fases que envolvem oscilações hormonais, produção de muco e fluidos, ovulação e alterações do comportamento. As fases são:

  • Fase Menstrual: É o período menstrual em si. É normal durar de 5 a 7 dias. Nessa fase todos os hormônios estão baixos e a camada de tecido que reveste o útero, chamada endométrio, é descamada, o que provoca o sangramento menstrual.
  • Fase Proliferativa: A baixa hormonal que deu início a menstruação, ativa a liberação de um hormônio pela glândula hipófise: o FSH (hormônio folículo estimulante). Ele vai agir nos ovários estimulando folículos com seus ovócitos a se desenvolverem. Os folículos que conseguem se proliferar produzem estrogênio, que vai estimular a regeneração do endométrio. Essa fase dura cerca de 9 dias e termina com o completo desenvolvimento do folículo e a ovulação.
  • Fase Secretora ou Lútea: A ovulação ocorre quando o pico de estrogênio, ocasionado pelo desenvolvimento completo do folículo ovariano, estimula a hipófise a liberar outro hormônio chamado LH (hormônio luteinizante). Esses hormônios vão estimular a liberação do ovócito ou óvulo a ser liberado para a tuba uterina. No ovário, o restante da estrutura do folículo forma o corpo lúteo, o qual passa a produzir a progesterona em maior quantidade e esse é o hormônio que prepara o útero para receber um embrião. Nessa fase o endométrio torna-se ainda mais espesso, vascularizado e cheio de glândulas. Caso não ocorra a fecundação o corpo lúteo regride.
  • Fase Isquêmica: Essa fase ocorre quando os níveis de progesterona e estrogênio tornam-se mínimos, devido a degeneração do corpo lúteo. Assim, as artérias do endométrio se contraem e reduzem o fluxo sanguíneo para as camadas superficiais, tornando-as esbranquiçada. Ocorre, então, necrose isquêmica e a descamação. Quando a descamação inicia, começa um novo ciclo. Nessa fase, a baixa hormonal produz diversos sintomas psicológicos como tristeza, irritação, aumento da preferência por alimentos açucarados, ou seja, a famosa TMP (tensão pré-menstrual).

Qual a importância de observar o ciclo menstrual?

A observação do ciclo menstrual ajuda a compreender sintomas de determinadas doenças ou irregularidades, qual a data propícia para engravidar, qual o período da TMP e a menstruação. Para isso, um bom calendário menstrual deve auxiliar a mulher a monitorar informações sobre:

  • Cólicas, pois, elas sinalizam desde o excesso de prostaglandinas, que fazem o útero contrair e expulsar a menstruação, mas que é tratável e melhora os sintomas, até mesmo casos mais graves como endometriose.
  • O fluxo menstrual e escapes, já que alterações de fluxo e sangramento fora do período menstrual pode indicar alterações hormonais, menopausa, alterações anatômicas, endometriose, adenomiose e câncer.
  • A periodicidade do ciclo. Ciclos menores ou maiores podem indicar problemas hormonais nos níveis de progesterona, testosterona ou prolactina, problemas da tireoide, cistos ovarianos, ovários policísticos, estresse, endometriose e adenomiose.
  • O odor, pois, odores fétidos ao longo do ciclo indicam má higiene ou infecções.

Como acompanhar o ciclo menstrual

Para ter parâmetros normais da duração do ciclo, sintomas menstruais e de TPM, período fértil, entre outros, é necessário fazer a anotação e observação do ciclo por um período de 3 a 6 meses. Após esse período, é possível fazer uma média da duração do ciclo e de todos os eventos, para compreender os sinais normais e detectar algo de anormal quando ocorrer.

Referências

CREININ, Mitchell D.; KEVERLINE, Sharon; MEYN, Leslie A. How regular is regular? An analysis of menstrual cycle regularity. Contraception, v. 70, n. 4, p. 289-292, 2004.

KAMI, Aline Tiemi; VIDIGAL, Camila Borecki; MACEDO, Christiane de Souza Guerino. Influência das fases do ciclo menstrual no desempenho funcional de mulheres jovens e saudáveis. Fisioter. Pesqui. São Paulo , v. 24, n. 4, p. 356-362, dez. 2017.

MOORE, Keith L. Embriologia Básica. 8ª Edição. Rio de Janeiro: Elsevier. 2013.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.