Países mais afetados pelo coronavírus

Graduado em Ciências Biológicas (UNIFESO, 2014)

Em dezembro de 2019 a China identificou uma enfermidade desconhecida causada por uma nova variação de um vírus pertencente ao grupo do coronavírus, o Sars-CoV-2, que causa a doença COVID-19. Em casos mais brandos é bem similar a uma gripe, mas pode ser fatal em algumas pessoas. Em fevereiro a patologia se alastrou por toda Ásia. No segundo trimestre do ano de 2020 a doença avançou mundialmente e logo em março a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o estado de pandemia da doença.

Os dados epidemiológicos emitidos pelos os países comprovam que os países mais afetados pelo coronavírus não necessariamente possuem a mesma proporção em número de mortes . A África do Sul pode ser utilizada como exemplo, pois está em uma das posições mais altas com o número de afetados pelo o Sars-CoV-2, mas o número de mortos em relação ao número de casos é bem abaixo de outros países. Os países com maior número de infectados foram (até setembro/2020): Estados Unidos, Índia, Brasil, Rússia, Espanha, Argentina, Colômbia, França, Peru, México e Reino Unido.

# País Número de casos
1 Estados Unidos 8.417.048
2 Índia 7.593.994
3 Brasil 5.237.961
4 Rússia 1.415.316
5 Espanha 1.015.795
6 Argentina 989.680
7 Colômbia 959.572
8 França 910.277
9 Peru 868.675
10 México 851.227

Países com mais casos de COVID-19 (em 19/10/2020). Fonte: Worldometer

O número de contágios seguiu flutuando de acordo com o seu avanço. O primeiro país fortemente afetado (desconsiderando a China, origem da doença) foi a Itália. Imagens de comboios de caminhões militares carregando os mortos pela doença chocaram o mundo. Rapidamente o governo daquele país decretou "lockdown", medida que restringia a saída das pessoas de suas casas, exceto para casos de extrema necessidade.

No fim de março de 2020, na Inglaterra com apenas 3 meses após a descoberta do Sars-CoV-2 eram contabilizados 6 mil novas pessoas infectadas diariamente, mas estudos apontam que pela defasagem de controle dos dados epidemiológicos reais a estimativa é que nesse mesmo período o número de contágios era superior, chegando a 100 mil casos diários. No continente americano pode ser observado o mesmo fenômeno.

Os dados epidemiológicos mostram que nos países mais afetados não se prepararam adequadamente para a doença. Em alguns deles os chefes de Estado até mesmo menosprezaram a doença e sua letalidade, praticando o negacionismo. Assim, houve um grande número de contágios em países como Estados Unidos e Brasil. Com a  implementação das medidas de isolamento social o número de casos atingiu uma estabilidade, principalmente referente aos números de óbitos diários, e em um terceiro momento houve um declínio conforme o endurecimento das medidas.

Após a diminuição do número de contaminados vários países começaram a flexibilizar as medidas preventivas no intuito de reaquecer a economia, que declinou fortemente com o fechamento de lugares que possuíam grande aglomeração e não são considerados essenciais como o comércios, bares, casas de shows, cinemas, escolas, academias, restaurantes, e até espaços públicos de uso comunitário como praias e parques. Após a reabertura desses lugares, alguns países, como a França, Itália, Reino Unido, Holanda e Espanha começaram a identificar a segunda onda de infecção, fazendo com que algumas medidas sanitárias voltassem a serem impostas pelos governos.

Referencias:

https://epoca.globo.com/sociedade/coronavirus-que-pode-explicar-segunda-onda-menos-mortal-de-covid-19-no-mundo-1-24631157

https://jornal.usp.br/atualidades/flexibilizacao-do-isolamento-tende-a-endurecer-pandemia/

https://g1.globo.com/mundo/noticia/2020/08/15/europa-acelera-restricoes-ante-segunda-onda-do-coronavirus.ghtml

https://www.ecodebate.com.br/2020/07/31/os-12-paises-com-mais-pessoas-infectadas-pelo-coronavirus/

https://www.bbc.com/portuguese/brasil-53047836

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Atualidades, Saúde