Indústria cultural

Licenciatura Plena e Bacharelado em Ciências Sociais (Faculdade de Ciências e Letras UNESP, 2015)
Mestrado em Ciências Sociais (Faculdade de Ciências e Letras UNESP, 2017)

Indústria cultural é um conceito de interpretação sociológica desenvolvido por Theodor Adorno e Max Horkheimer no livro “Dialética do Esclarecimento” de 1944. Este conceito se refere a produção e utilização da cultura como um bem de consumo industrial, destituindo a arte e a cultura de suas principais características de interpretação e crítica da realidade. Os dois autores e o próprio conceito estão inseridos na Escola de Frankfurt, escola de inspiração marxista que perdurou de 1922 a 1969. A escola tinha como principal método de análise a Teoria Crítica.

Em seu sentido mais geral, a teoria crítica é uma teoria sociológica que tem por objetivo explorar o que existe por trás da vida social e descobrir os pressupostos e mascaras que nos impedem de compreender plena e verdadeiramente como o mundo funciona. [...] A dinâmica principal do trabalho desse grupo consistia em criticar a vida sob o capitalismo e as maneiras predominantes de explica-la. Embora o método se fundamentasse no marxismo, eles modificaram alguns de seus pressupostos básicos e combinaram-no com outros métodos [...] Ao contrário das visões mais divulgadas do marxismo, por exemplo, os membros da Escola da Frankfurt argumentavam que a economia não determinava a forma de vida social. Enfatizavam a importância da cultura e elaboraram um enfoque crítico da arte, da estética e da mídia. Combinaram o marxismo com a análise freudiana para criar uma compreensão da personalidade e do indivíduo em relação à sociedade capitalista. (JOHNSON, 1997, p. 232).

A indústria cultural é um termo interpretativo da realidade que os autores percebiam na década de 1940 relacionada às mídias e comunicações de massa. A sua crítica vai no sentido de perceber que diferentes grupos sociais dominantes começavam a utilizar a cultura e as artes a partir da lógica de mercado capitalista. Para os autores, isso é extremamente nocivo pois ao atender aos ideais de lucro, mercado, aceitabilidade, esses produtos da cultura serão consumidos como os demais e perdem seu potencial de crítica social e de crítica ao próprio sistema, criando uma alienação cada vez maior em seus consumidores.

Para os autores, a arte é um processo de reflexão sobre uma situação e por isso mesmo demanda momento para a sua produção, técnicas e estudos. A arte como produto industrializado e produzido em massa, consequentemente, carece de alguns elementos pela necessidade do mercado de ser constantemente abastecido e renovado. Com isso, o próprio processo criativo se torna mecanizado e sempre orientado para agradar ao mercado, ao consumidor, as classes que dominam o mercado e ao lucro, dessa forma seu potencial crítico é minimizado.

Do mesmo modo que em outros ramos industriais, a indústria cultural transforma matéria-prima em mercadorias, criando novos padrões de consumo, voltados para atender às demandas de um determinado público-alvo. (TERRA, ARAUJO, GUIMARÃES, 2009, p.134).

Os autores diferenciam a cultura erudita da cultura popular e ambas da indústria cultural ou cultura de massas. A cultura erudita é produzida e consumida por classes intelectualizadas e demanda estudo e técnicas muito refinadas tanto para ser gerada como para ser compreendida. A cultura popular é produzida pelo povo de forma espontânea e reflete a sua realidade circundante, não necessitando de estudos para tanto. Já a cultura de massas é diferente, pois não refere às massas populares, e sim, à indústria cultural. É uma produção artística encomendada pelo mercado que tem a função de atender e gerar gostos massificados, não tem apreço pelas técnicas eruditas e não reflete sobre a realidade do povo. É um produto de ampla e rápida reprodução que gera também esquecimento rápido deste mesmo produto, precisando ser substituído. Pode abranger as músicas, o cinema, a TV, o rádio, a pintura, literatura etc.

Cultura popular é repertório acumulado de produtos culturais como músicas, literatura, arte, moda, dança, cinema, televisão e radio que são consumidos principalmente por grupos não-elite, tais como a classe operária e baixa (bem como por segmentos substanciais da classe média). (JOHNSON, 1997, p.60).

Apesar das críticas direcionadas aos produtos da Indústria Cultural, autores da Escola de Frankfurt como Walter Benjamin não deixam de considerar que a mesma consegue, de certa forma e até certo ponto, democratizar o acesso às artes. Isso porque com o advento de mídias e comunicação em massa não é mais necessário ir a um show fisicamente ou à ópera para se conhecer estas obras. Mesmo que a qualidade do produto seja inferior e a experiência não seja a mesma, a indústria cultural pode ser utilizada para fins de acessibilidade, como a reprodução fotográfica de obras, pinturas, esculturas que estão presentes em museus e espaços distantes das classes populares.

Assim, a indústria cultural é um conceito crítico de interpretação da produção de bens culturais no mercado capitalista. Tem por característica a alienação do povo e a produção massificada e massificante da obra de arte. Pode, porém, ser utilizada para promover o acesso e contato facilitado e massificado de grandes obras de Arte, mesmo com prejuízo da qualidade técnica. A função da indústria cultural, porém, não é possibilitar o acesso, mas sim produzir lucro com as obras de arte, com a exploração do artista inclusive.

O modo de comportamento perceptivo, através do qual se prepara o esquecer e o rápido recordar da música de massas, é a desconcentração. Se os produtos normalizados e irremediavelmente semelhantes entre si, exceto certas particularidades surpreendentes, não permitem uma audição concentrada, sem se tornarem insuportáveis para os ouvintes, estes, por sua vez, já não são absolutamente capazes de uma audição concentrada. Não conseguem manter a tensão de uma concentração atenta, e por isso se entregam resignadamente àquilo que acontece e flui acima deles, e com o qual fazem amizade somente porque já o ouvem sem atenção excessiva. (ADORNO, 1978, p.190).

Referências:

ADORNO, Theodor. W. O fetichismo na música e a regressão da audição. In: Adorno et all. Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1978. Coleção Os Pensadores.

BENJAMIN, Walter et al. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. 2013.

JOHNSON, Allan G. Dicionário de Sociologia: guia prático da linguagem sociológica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1997.

TERRA, Lygia; ARAUJO, Regina; GUIMARÃES, Raul Borges. Conexões: estudos de geografia do Brasil. São Paulo: Moderna, 2009. p.134.

Arquivado em: Cultura, Sociologia