Nigéria

Por Emerson Santiago
A República Federal da Nigéria (em inglês: Federal Republic of Nigeria) é um país localizado à África Ocidental, com um território de  923.768 km2, um pouco maior que o estado de Mato Grosso. País mais populoso do continente africano, com pouco mais de 170 milhões de habitantes, sua capital é Abuja, que como Brasília, foi planejada, tornando-se centro administrativo do país em 1991. As fronteiras da Nigéria são o Golfo da Guiné a sudoeste, Benim a oeste, Níger ao norte, Chade a nordeste e Camarões a leste. A língua oficial é o inglês, sendo o hausa, o ibo e o iorubá importantes línguas nacionais faladas no cotidiano, além de outras centenas de línguas (527 no total). O islã, o cristianismo e crenças locais são as principais religiões seguidas na Nigéria, sendo que o norte é predominantemente muçulmano e o sul abriga a maioria dos cristãos; os praticantes das religiões tradicionais distribuem-se esporadicamente pelo interior tanto do norte quanto do sul do país.

O capítulo mais antigo da história da Nigéria localiza-se por volta de 800 a.C., quando o povo Nok, civilização do neolítico e da idade do ferro se estabelecem na área de Jos (norte do país). É por volta do século XI que se tem notícia do estabelecimento de cidades-estado, reinos e impérios importantes, incluindo os reinos Hausa e a dinastia Borno ao norte, e os reinos de Oyo e Benin ao sul.

Em 1472 os portugueses são os primeiros europeus a chegarem à região, dando início ao estabelecimento de vários entrepostos comerciais e ao tráfico de escravos.

No século XIX, o comércio de outras commodities, em especial do óleo de palma e da madeira substituem o tráfico de escravos, tendo mérito nisto também a ação da marinha britânica em perseguir e desbaratar o comércio escravagista. Na segunda metade do século os britânicos vão consolidando o domínio sobre o país, estabelecendo protetorados nas metades norte e sul da Nigéria. Em 1914, os dois protetorados são unificados na chamada Colônia e Protetorado da Nigéria, onde em algumas áreas é estabelecida administração direta inglesa e em outras os europeus são representados pelos monarcas africanos locais.

Tal situação permanece até 1 de outubro de 1960, quando a Nigéria conquista sua independência. Desde o início, a jovem república sofre com a instabilidade política, que atinge seu auge em 1967, quando três estados do leste decidem se separar do país, formando a República de Biafra, iniciando um conflito com o governo em Lagos. A sangrenta guerra termina três anos depois, marcada pela grande violência de ambos os lados.

Em 1975, começam os projetos de mudança de capital para Abuja, e no ano seguinte, o assassinato do presidente brigadeiro Murtala Ramat Mohammed e a ascensão pela primeira vez do tenente-general Olosegun Obasanjo marcam o início da Segunda República. As alegações de fraudes, protestos políticos e golpes de estado seguem por toda a década de 80 até a tomada de poder do general Sani Abacha, que exercerá o poder até sua morte, em 1998. O ex-presidente Obasanjo é eleito em 2003, e em 2006 é proibido pela suprema corte do país de se reeleger. Ainda hoje a Nigéria vive episódios de tensão étnica, política e social que emperram o maior progresso deste país que é um dos maiores produtores de petróleo do mundo.

Leia também:

Bibliografia:

Nigeria profile (em inglês) Disponível em: <http://www.bbc.co.uk/news/world-africa-13949550>. Acesso em: 02 jul. 2012.

Background Note: Nigeria (em inglês) Disponível em: <http://www.state.gov/r/pa/ei/bgn/2836.htm>. Acesso em: 02 jul. 2012.