Dramaturgia

A dramaturgia é o ofício de elaborar um texto com o objetivo de transpô-lo para os palcos, apresentando diante de um público as idéias contidas nesta obra, através da encenação empreendida por atores. Esta expressão provém do idioma grego e tem o sentido de ‘ação’. O especialista nesta arte é conhecido como dramaturgo.

Aristóteles também tem uma clássica definição de dramaturgia. Segundo o filósofo da Grécia Antiga, esta arte estrutura os atos humanos logicamente, visando despertar intensas paixões ou uma condição de extremo encantamento e êxtase.

A ação é representada de forma a revelar na trama um confronto central, ponto-chave do enredo. Tudo que se desenrola diante da platéia está subordinado a este ponto principal e ao comportamento distinto de cada personagem, os quais têm em mente suas próprias metas. Há vários campos de atuação no interior da dramaturgia: a tragédia, a comédia, o drama histórico, o drama burguês, o melodrama, a farsa e os musicais.

Embora normalmente se associe a dramaturgia ao teatro, atualmente ela se estendeu também aos roteiros de cinema, às novelas de TV, aos sitcoms ou comédias de costume e às minisséries.

No campo do teatro, as convenções artísticas vinculam-se às ancestrais tradições greco-romanas e judaico-cristãs. Neste sentido restrito, a dramaturgia pode ser definida como o ponto essencial da práxis teatral vigente no Ocidente, não apenas no que se refere às ações desenvolvidas no palco, mas também no que tange às reações do público. O teatro se sustenta sobre três alicerces fundamentais – a dramaturgia, o espetáculo e a representação. Estes elementos suprem as artes teatrais com as distintas condições de que elas carecem para se consolidar.

Normalmente a palavra ‘dramaturgia’ é utilizada para indicar o trabalho de um produtor de peças teatrais, por exemplo, a dramaturgia de Nelson Rodrigues. Ela também se aplica a um grupo de obras, seja pelo critério do ciclo temporal, mesmo estabelecido aleatoriamente – a dramaturgia clássica, a dramaturgia romântica, entre outras -, ou por semelhanças na forma ou no conteúdo – a dramaturgia do absurdo, a dramaturgia espírita, e outras mais -, e ainda pelas diferenças entre amador e profissional. Ainda se pode encontrar a distinção entre dramaturgia feminina e masculina; e a voltada para a infância, que se distingue da de cunho juvenil.

Já a dramaturgia concebida para a TV é chamada de teledramaturgia, a qual obedece a uma classificação convencional – o programa unitário, uma ficção televisiva que vai ao ar de forma completa, aproximadamente por uma hora; o seriado; a minissérie e a novela, que se diferencia do modelo norte-americano, conhecido como ‘soap opera’.

A telenovela remonta à antiga tradição dos folhetins escritos toda semana para veículos periódicos, como os que foram escritos entre 1767 e 1768 pelo dramaturgo alemão Gotthold Ephraim Lessing, os quais foram reunidos posteriormente em sua obra Dramaturgia de Hamburgo, dando origem a uma tradição que culminaria no surgimento da teledramaturgia luso-brasileira. As novelas são normalmente estruturadas por capítulos de periodicidade diária, os quais são exibidos, em média, por volta de oito meses.

Fontes
http://pt.wikipedia.org/wiki/Teledramaturgia
http://pt.wikipedia.org/wiki/Dramaturgia
http://www.sbpcnet.org.br/livro/60ra/resumos/resumos/R3996-1.html

Arquivado em: Artes, Literatura