Micorrizas

Por Fabiana Santos Gonçalves
Micorrizas são associações simbióticas entre fungos e raízes. Essas associações são mutualísticas e tanto as raízes quanto são beneficiados. A maioria das pteridófitas, gimnospermas e angiospermas fazem esse tipo de associação.

A associação de fungos e raízes de plantas é muito antiga e pode ser demonstrada por vários fósseis. Estudos sugerem que estas associações foram muito importantes para a conquista do ambiente terrestre pelas plantas, pois na época das primeiras colonizações os solos eram muito pobres em nutrientes, então os fungos ajudavam na absorção de nutrientes como ferro, fósforo, etc.

Os fungos auxiliam as plantas na absorção de nutrientes (especialmente o fósforo) do solo e da água e na proteção contra fungos patogênicos e pequenos vermes cilíndricos. Em troca, a planta fornece ao fungo várias substâncias orgânicas essenciais ao crescimento como carboidratos e vitaminas.

Essa associação é muito importante, a ponto de certas plantas só sobreviverem na presença do fungo.

Existem dois tipos de micorrizas:

  • Endomicorrizas: são micorrizas que penetram nas células da raiz, porém sem penetrar no protoplasma, aumentando a superfície de absorção e trocas da célula. Também se espalham pelo solo que está em contato com a raiz, para aumentar a superfície de absorção. A maior parte das micorrizas (cerca de 80%) são endomicorrizas.
  • Ectomicorrizas: o fungo não penetra nas células da raiz, apenas as circunda. Normalmente ocorre em alguns grupos de árvores e arbustos que habitam regiões temperadas, como carvalhos, salgueiros, pinheiros, etc. Em regiões onde o frio é intenso em algumas épocas do ano, ou então a planta precisa enfrentar um período de seca, as ectomicorrizas ajudam as plantas resistirem a estas condições.

As ectomicorrizas apenas envolvem as células da raiz e algumas hifas a circundam, formando um tipo de manto. Esta associação possui um alto grau de especificidade, ao contrário das endomicorrizas. Os fungos que formam ectomicorrizas são ascomicetos e, principalmente, basidiomicetos.