Répteis (Classe Reptilia)

Por Fabiana Santos Gonçalves
Ordens

  • Ordem Crocodilia
  • Ordem Squamata
  • Ordem Rhynchocephalia
  • Ordem Testudinata

Representantes dos Répteis. Ilustração: Adolphe Millot [Public domain], via Wikimedia Commons

Representantes dos Répteis. Ilustração: Adolphe Millot [Public domain], via Wikimedia Commons

A classe Reptilia (do latim reptum = rastejar) inclui os lagartos, cobras, tartarugas, jabutis, crocodilos, jacarés e a tartaruga. A ciência que estuda os répteis chama-se herpetologia.

Os répteis surgiram a partir de um grupo de anfíbios primitivos e foram os primeiros vertebrados que se adaptaram á vida terrestre sem depender de água para a reprodução e respiração. Como mudanças evolutivas podemos citar:

  • Pele mais resistente à perda de água mais ainda existem regiões onde a pele é mais fina para que haja locomoção;
  • Poucas glândulas epidérmicas, pois a epiderme é corneificada, sem função respiratória;
  • Garras que ajudam na proteção e locomoção;
  • Ovo com casca resistente à perda de água, com cavidade amniótica;
  • A principal excreta nitrogenada é o ácido úrico para diminuir a perda de água para o ambiente.

Os répteis são mais desenvolvidos que os anfíbios, porém ainda são pecilotérmicos (a temperatura corporal depende da temperatura do ambiente). O esqueleto é completamente ossificado e o coração é completamente dividido em quatro câmaras (2 átrios e 2 ventrículos), as hemácias são nucleadas, respiração pulmonar, excreção por rins metanéfricos, ectotérmicos, dióicos com fecundação interna, ovos grande e com desenvolvimento direto.

Com a casca mais grossa, surge o anexo embrionário âmnio, que delimita a cavidade amniótica, cheia de líquidos, que protege o embrião contra o dessecamento.

Estrutura Corporal

O corpo dos répteis é formado por cabeça, pescoço, tronco e cauda. Possui quatro pernas curtas, com dedos terminando em garras córneas. A boca é grande e cheia de dentes. Olhos são grandes, ocupando a posição lateral, com pálpebras e uma membrana nictante. A pele é composta por escamas córneas.

Digestão

A boca abre-se largamente e os dentes são fortes, servindo para ataque, defesa e segurar a presa. Entre a cavidade bucal e a faringe há uma dobra transversal que isola a cavidade para não entrar água nos pulmões quando o animal abrir a boca dentro da água.

O alimento passa da boca para a faringe, seguindo para o esôfago, estômago, intestino delgado, cloaca e o que não foi aproveitado é eliminado para o ambiente através do ânus. A cloaca é a saída dos sistemas digestivo, excretor e reprodutor.

Circulação

A circulação é fechada, dupla e completa nos crocodilianos, sendo incompleta nos outros grupos.

Respiração

A respiração é pulmonar. O ar entra pelas narinas, passam pelo palato duro, coanas, glote, laringe (onde estão as cordas vocais), traquéia e brônquios. Os pulmões possuem dois septos internos.

Excreção

A excreção é feita por dois rins achatados e tubulares, localizados dorsalmente na parte posterior do corpo.

Reprodução

São animais dióicos, que fazem fecundação interna. Os ovos costumam ser grandes, possuem uma casca grossa para proteger contra dessecamento, o embrião tem desenvolvimento direto, sem metamorfose.

As tartarugas possuem uma concha oval, com placas corneificadas, que costumamos chamar de casco. A parte dorsal desta concha chama-se carapaça e a ventral chama-se plastrão. O corpo está encaixado nesta concha, soldado pelas vértebras torácicas e costelas. Os pés dos jabutis têm forma de toco, e das tartarugas marinhas tem a forma de um remo, para natação.

Os lagartos apresentam formas variadas do corpo, com pernas longas ou curtas. Alguns correm muito rápido. Possuem pontos de quebra na cauda, pois se ela ficar presa, quebra-se no ponto de quebra e o animal se solta e foge. A cauda regenera em seguida. Os camaleões possuem uma língua protrátil.

As cobras não possuem pernas, então locomovem se rastejando. Não possuem pálpebras. Como nos lagartos, a pele apresenta fileiras de escamas. Os olhos são cobertos por uma cutícula. As cobras normalmente engolem seu alimento inteiro, graças a inúmeras modificações no seu corpo. As cobras vivem isoladas. Podemos classificá-las segundo o tipo de dente de veneno:

  • Áglifas: Não possuem dentes de veneno, todos os dentes são iguais, de mesmo tamanho. Exemplos: sucuri e a caninana;
  • Opistóglifas: Os dentes de veneno estão localizados na parte posterior da boca. Possuem um sulco por onde o veneno corre. Dificilmente conseguem inocular o veneno com eficiência. Exemplo: Falsa coral
  • Proteróglifas: Os dentes de veneno estão localizados na parte posterior anterior da boca e possuem um sulco por onde o veneno corre. Exemplo: coral verdadeira
  • Solenóglifas: Os dentes de veneno estão localizados na parte posterior anterior da boca e o veneno corre por um canal do dente.