Coração

Mestre em Ecologia e Recursos Naturais (UFSCAR, 2019)
Bacharel em Ciências Biológicas (UNIFESP, 2015)

Publicado em 26/04/2019

O coração é o órgão central do sistema circulatório dos animais vertebrados. Ele apresenta tamanho, formato e anatomia distintos dentre as classes de animais, porém a sua função é a mesma: bombear o sangue através dos vasos sanguíneas por todo o corpo. Deste modo, todas as células são capazes de absorver oxigênio e nutrientes circulantes ao mesmo tempo em que liberam suas excretas metabólicas.

O coração de peixes, anfíbios e répteis não-crocodilianos diferem dos demais vertebrados por apresentarem um número menor de câmaras. Peixes possuem um coração simples com apenas um átrio e um ventrículo. Anfíbios possuem 3 câmaras cardíacas, com um ventrículo e dois átrios. Nestes animais ocorre mistura parcial de sangue venoso e arterial. Os repteis não-crocodilianos diferem dos anfíbios por apresentarem uma divisão incompleta do ventrículo, o que reduz a mistura sanguínea.

Aves, crocodilianos, seres humanos e os demais mamíferos apresentam um coração dividido em 4 cavidades: os átrios esquerdo e direito e os ventrículos esquerdo e direito. Deste modo, não há mistura entre os sangues venoso e arterial. O sangue rico em oxigênio proveniente das veias pulmonares (sangue arterial) entra no átrio esquerdo, passando para o ventrículo esquerdo e finalmente saindo do coração pelo arco aórtico, sendo bombeado para os demais órgãos e tecidos do corpo. O sangue sem oxigênio, chamado de sangue venoso, retorna ao coração pelo átrio direito, passando pelo ventrículo direito, sendo então enviado ao pulmão pelas artérias pulmonares para ser novamente oxigenado.

Anatomia do coração humano. Ilustração: BlueRingMedia / Shutterstock.com

Em um coração saudável, o sangue flui somente em uma direção graças a presença de válvulas cardíacas que impedem o refluxo de sangue entre as cavidades. O sopro cardíaco pode ser causado por uma ineficiência de alguma dessas válvulas em se fechar completamente, causando o retorno de sangue. O sopro geralmente não é uma condição grave, mas pode indicar insuficiência cardíaca e deve ser acompanhado por um médico.

O ritmo cardíaco é determinado por um conjunto especial de células chamadas nó sinoatrial, conhecidas como marca-passo. Estas células são responsáveis por gerar um impulso elétrico que estimula a contração da musculatura cardíaca de modo regular e contínuo. Em um adulto saudável no repouso espera-se que ocorram por volta de 70 batimentos cardíacos por minuto. Atividades físicas e emoções podem afetar o ritmo cardíaco de maneira temporária. Já algumas doenças, como a bradicardia, alteram o ritmo de batimento cardíaco podendo trazer consequências graves. Nestes casos existe a possibilidade de se utilizar um marca-passo artificial que, através de uma corrente elétrica de baixa intensidade, estimula o coração a manter um ritmo saudável de contração.

Doenças do coração são a maior causa de mortes no mundo todo. Só no Brasil, a média de mortes relacionadas a doenças cardíacas ultrapassou 380 mil em 2017. Grande parte destas mortes ocorrem de modo súbito, ou seja, sem sintomas prévios, o que dificulta sua prevenção. Pessoas obesas, diabéticos, fumantes ou pessoas com alta pressão arterial e alto colesterol formam o grupo de risco cardíaco. De maneira geral, atividades físicas regulares e boa nutrição auxiliam a manter o coração saudável.

Referências:

Cardiômetro (2015), Sociedade Brasileira de Cardiologia, Rio de Janeiro. Acesso em 05 de abril de 2019.

Noble, D. (2002). Modeling the heart--from genes to cells to the whole organ. Science295(5560), 1678-1682.

Rowlatt, U. (1990). Comparative anatomy of the heart of mammals. Zoological journal of the Linnean Society98(1), 73-110.