Vitamina K

Por Débora Carvalho Meldau
A vitamina K é um grupo de vitaminas lipofílicas e hidrofóbicas, que foi descoberta no ano de 1929 por Henrik Dam em um estudo realizado com galinhas, observando-se hemorragia como sinal característico de uma dieta sem gorduras. No ano de 1935, foi relatado por este mesmo pesquisador que o sintoma era aliviado quando uma substância solúvel em gordura era ingerida, denominando-a de vitamina K ou vitamina da coagulação.

Esta vitamina é encontrada em vegetais, principalmente os verde-escuros, e em alimentos de origem animal. Suas diferentes formas são:

  • Filoquinona (vitamina K1): forma predominante encontrada nos vegetais, sendo as principais fontes, os óleos vegetais e as hortaliças;
  • Dihidrofiloquinona (dK): é formada no processo de hidrogenação de óleos vegetais;
  • Menaquinona (vitamina K2): esta é sintetizada por bactérias e pode variar de MK1 a MK13 e está presente em produtos de origem animal e fermentados;
  • Menadinona (vitamina K3): é um composto sintético que, no intestino, é convertido em K2.

A absorção desta vitamina se dá no intestino delgado e, seu transporte, pelas vias linfáticas. Para que desempenhe normalmente seu papel, necessita de um fluxo biliar e de suco pancreático normal; além de um nível de gordura adequado na dieta. Existem fatores que podem interferir na sua absorção, como: fisiologia individual; doenças específicas, má absorção do aparelho gastrointestinal, secreção de bile, estado nutricional, baixa ingestão das fontes dessa vitamina, utilização de anticoagulantes cumarínicos, nutrição parenteral total e ingestão excessiva de vitamina A e E.

Sua excreção ocorre 20% pela urina e de 40 a 50% pelas fezes, independente da dose que é consumida. Concentrações plasmáticas menores ocorrem em indivíduos acima de 30 anos de idade, sendo que seu aumento ocorre após esse período. Em pessoas acima de 60 anos, em especial no sexo feminino, a concentração é maior do que em pessoas abaixo de 40 anos.

A vitamina K atua na regulação de três processos fisiológicos:

  • Coagulação sanguínea: Além desse papel, influi ainda, na síntese de proteínas plasmática, rins e tecidos;
  • Metabolismo ósseo: Há evidências de ela seja importante no desenvolvimento precoce do esqueleto e na manutenção do osso maduro sadio;
  • Biologia vascular.

A deficiência dessa vitamina pode ocorrer em consequência de problemas na absorção intestinal, ingestão terapêutica ou acidental de alguma substância antagonista da vitamina K, ou em raros casos, falta de vitamina K na alimentação. Seu resultado pode ser o risco de hemorragia, calcificação da cartilagem, má formação dos ossos ou depósito de sais de cálcio na parede das artérias.

Fontes:
http://www.copacabanarunners.net/vitamina-k.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Vitamina_K
http://emedix.uol.com.br/vit/vit005_1f_vitaminak.php
http://www.rgnutri.com.br/alimentos/vitaminas/vitk.php
http://www.scielo.br/pdf/rbr/v46n6/07.pdf

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.