Vitamina K

Graduada em Ciências Biológicas (Unifesp, 2013)

A vitamina K é um micronutriente essencial que compreende compostos que contenham a estrutura 2-metil-1,4-nafitoquinona. Os vitâmeros da vitamina K são a filoquinona e o grupo das menaquinonas. Amenaquinonas possuem cadeias laterais contendo grupamentos isoprenil insaturados.

A primeira característica observada em relação a vitamina K foi sua relação com a coagulação sanguínea. De fato, seu nome deriva do alemão Koagulation. A vitamina K, sendo um co-fator de enzimas carboxilases, desempenha importante papel na síntese de proteínas responsáveis pela coagulação: as pró-trombinas, fatores de coagulação e proteínas Z, S e C.

É uma vitamina lipossolúvel e, portanto, sua absorção se dá na região do íleo, no intestino, principalmente na presença dos solventes orgânicos. Ela se liga aos quilomícrons e a micelas que são absorvidas pelas células intestinais. Estas células secretam quilomícrons contendo vitamina K e apolipoproteínas na sua superfície, que alcançam a corrente sanguínea e a partir daí qualquer tecido que possua em sua superfície receptores para estas apolipoproteínas conjugadas. O principal local de estoque da vitamina K no corpo humano é o fígado e é lá que acontecem as sínteses dos fatores anti-coagulantes. Além disso, os microrganismos comensais (microbiota) do intestino também tem capacidade de sintetizar a vitamina K.

Recentemente cientistas têm demonstrado a participação da vitamina K para o desenvolvimento do tecido ósseo. A suplementação com esta vitamina mostrou diminuir os casos de fraturas ósseas; e os níveis baixos de vitamina K estão correlacionados com baixas densidades do tecido ósseo.

A vitamina K pode ser encontrada naturalmente em vegetais de folhas verde- escuro, como brócolis, espinafre, couve e alface, em óleos vegetais, soja, algumas frutas como figo e mirtilo e também fontes animais como carne, ovos e queijos.

A hipovitaminose K, que é a deficiência na quantidade de vitamina K no organismo pode causar doenças inflamatórias intestinais, pancreatites, distúrbios gastrointestinais e principalmente falhas nas atividades coagulantes. Injurias no fígado também estão relacionadas com prejudicado metabolismo desta vitamina. Além disso, o uso prolongado de antibióticos promove a destruição da microbiota normal do indivíduo e consequentemente a produção de vitamina K, que também advém destes microrganismos, fica gravemente diminuída. Alguns estudos avaliam a relação entre o consumo frequente de alimentos contendo vitamina e a reduzida incidência no desenvolvimento do diabetes tipo 2. Além disso, a osteoporose já é comprovadamente relacionada com a quantidade de vitamina K, uma vez que a suplementação desta vitamina, melhora os quadros de pacientes desta doença e também atua na prevenção do desenvolvimento da mesma. Ainda, outros estudos têm avaliado a relação dos níveis de vitamina K e o risco de doenças cardíacas. No entanto pouco consenso se tem a respeito desse assunto e mais estudos ainda serão necessários.

É comum que as pessoas consigam quantidades suficientes da vitamina K através da alimentação, uma vez que ela é amplamente distribuída em diversos alimentos. E seu baixo potencial de toxicidade faz que não haja estabelecidos valores máximos de consumo de vitamina K. Os valores adequados de vitamina K variam com a idade, mas em média os valores sanguíneos ideais para mulheres é de 90 mcg e para homens 120 mcg.

Referências:

Booth SL. Vitamin K: food composition and dietary intakes. Food Nutr Res 2012;56

<https://ods.od.nih.gov/factsheets/VitaminK-HealthProfessional/> acessado em 05/11/17

<https://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/vitamin-k/> acessado em 05/11/17

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Bioquímica, Nutrição