Maré vermelha

A maré vermelha é um fenômeno de ordem natural ou antrópica, que causa um desequilíbrio ecológico. Esse processo é o resultado de uma proliferação rápida e em excesso de algumas micro-algas dinoflageladas (também são conhecidas como pirrófitas). A maré vermelha não necessariamente é vermelha, o fenômeno pode variar sua coloração entre tons que vão do vermelho para o marrom. A intensidade do evento e as características da água irão definir as cores do fenômeno.

O principal ambiente afetado pelo fenômeno são os estuários (regiões onde os rios encontram os mares).

Conforme a proliferação dessas micro-algas aumenta, diminui a quantidade de luz necessária para os processos fotossintéticos continuarem sendo feitos. A água sem ou com pouco oxigênio dificulta toda a vida aquática presente no ambiente. Além da diminuição do oxigênio na água, essas micro-algas irão liberar grande quantidade de toxinas. A maré vermelha ainda pode alterar a temperatura e a salinidade do ambiente aquático, portanto durante o processo é possível que toda a vida afetada seja morta em um período curto de tempo.

Junto da expansão de micro-algas dinoflageladas, vem a expansão de diatomáceas e cianobactérias, esses que contribuem para o consumo rápido do oxigênio.

Dinoflagelados

Dinoflagelados são organismos unicelulares que possuem dois flagelos, são mais conhecidos como “micro-algas” e também como causadores da maré vermelha. Essas micro-algas possuem cor em um tom avermelhado, por isso também chamadas de pirrófitas (em grego significa planta cor de fogo). Os dinoflagelados são em sua maioria fotossintetizantes, mas existem espécies heterótrofas e parasitas.

Além da alta quantidade de matéria orgânica circulando nos ambientes aquáticos, outro fator que colabora para fenômeno da maré vermelha é o fato dos dinoflagelados se reproduzirem de forma assexuada.

Causas da maré vermelha

Sabe-se que a maré vermelha é um fenômeno natural negativo, porém existem estudos atuais que indicam o aumento da poluição originária das ações humanas como colaboradoras e também causadoras do problema. As ações humanas deixam os ambientes marinhos eutrofizados (com excesso de nutrientes).

Entre os fatores que contribuem para o fenômeno da maré vermelha estão a alta quantidade de matéria orgânica despejada nos meios aquáticos. Muito dessa matéria orgânica é proveniente de esgotos sem tratamento, e assim favorecem o crescimento dessas micro-algas dinoflageladas.

Acontecimentos importantes

  • Um dos maiores desastres causados pelo fenômeno da maré vermelha aconteceu na África do Sul, em 1962. Durante o fenômeno uma floração rápida de dinoflagelados provocou a morte de no mínimo 100 toneladas de peixes.
  • No Brasil, em 2007 uma grande floração de micro-algas dinoflageladas aconteceu no estado da Bahia, provocando a morte de diversas espécies marinhas, totalizando em números 50 toneladas de animais mortos.

Em ambos os casos o principal fator destacado para a morte desses animais marinhos foi a asfixia.

Maré vermelha e o homem

Além de afetar os organismos aquáticos de forma direta, a maré vermelha também pode afetar de forma indireta. Por exemplo, alguns animais filtradores de água podem sobreviver ao evento da maré vermelha, porém, futuramente eles estarão transportando as toxinas para outros organismos, sejam eles outros animais em outros ambientes e até mesmo para os homens. A seguir mais exemplos:

  • Os efeitos do consumo de ostras contaminadas por essas toxinas podem paralisar um homem por até 30 minutos.
  • Pessoas que moram próximas de regiões onde acontece a maré vermelha podem adquirir problemas respiratórios graves.

Observação: a maré vermelha também é conhecida como Floração de Algas Nocivas (FAN) e bloom de algas.

Referências:
https://en.wikipedia.org/wiki/Red_tide
http://oceanservice.noaa.gov/facts/redtide.html

Arquivado em: Ecologia