Eslovênia

Por Emerson Santiago
A República da Eslovênia (Republika Slovenija, em esloveno) é um país independente localizado a sudeste da Europa, produto do esfacelamento da antiga Iugoslávia. Seu território de 20.273 km² é equivalente ao estado de Alagoas, e sua capital é Ljubljana. A maioria da população é eslovena (cerca de 83%), e húngaros e italianos têm o estatuto das minorias étnicas sob a constituição local, o que lhes garante assento na Assembleia Nacional. A religião predominante é o cristianismo, do segmento católico romano, embora o país também tenha um pequeno número de protestantes, ortodoxos cristãos, muçulmanos e judeus. A língua oficial é o esloveno, idioma eslavo, escrito no alfabeto latino. Como membro pleno da União Europeia, a moeda utilizada no país é o Euro.

A Eslovênia está situada no cruzamento da Europa Central, Mediterrâneo, e Bálcãs. a maioria do seu terreno é montanhoso, com cerca de 90% da superfície a 200 metros ou mais acima do nível do mar. No litoral, o mar Adriático estende-se por cerca de 48 quilômetros. Já na planície da Panônia, a leste e nordeste, em direção à fronteira húngara e croata, a paisagem é essencialmente plana.

Atualmente uma democracia vibrante, as raízes desta organização exemplar podem ser traçadas em meio à história local. Os eslovenos teriam elaborado o costume único de aprovar os Duques de Caríntia, seus governantes, por quase 1.000 anos, até o final do século XIV. O controle parcial de potências estrangeiras teria se iniciado no século IX. Com a exceção da ocupação de Napoleão durante quatro anos, o território da atual Eslovênia fez parte do Império dos Habsburgo do século XIV até 1918.

Em 1918, a Eslovênia adere a outros estados eslavos do sul para formar o Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos, parte do plano de paz da Primeira Guerra Mundial. Rebatizado em 1929 de Reino da Iugoslávia, o país é dominado pelas potências do Eixo durante a Segunda Guerra Mundial. Após o conflito surge a Iugoslávia socialista, sob o comando de Josip Broz Tito, e durante esta fase, a Eslovênia torna-se a república mais próspera da Iugoslávia. Com a morte de Tito em 1980, Belgrado inicia planos para continuar a concentrar o poder político e econômico em suas mãos. Desafiando tal manobra, a Eslovênia empreende um florescimento da democracia e de uma abertura de sua sociedade em um grau sem precedentes no mundo comunista. Em setembro de 1989, a Assembléia Geral da República Iugoslava da Eslovênia aprovou uma alteração à sua constituição afirmando o direito dos eslovenos de se separar da Iugoslávia, e em 25 de junho de 1991, a República da Eslovênia declarou sua independência, à qual se seguiu uma guerra de dez dias onde quase não se derramou sangue.

Desde a independência em 1991, a Eslovênia tem feito grandes progressos no estabelecimento de suas instituições democráticas, consagrando o respeito pelos direitos humanos, o estabelecimento de uma economia de mercado, além de adaptar suas forças armadas com as normas e padrões ocidentais. Como jovem república independente, a Eslovênia é uma democracia estável, com um perfil de crescimento palpável, desempenhando um papel significativo em relação ao seu tamanho, tendo aderido à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e à União Europeia (UE) em 2004.

Bibliografia:
Slovenia profile (em inglês). Disponível em: <http://www.bbc.co.uk/news/world-europe-17847448>. Acesso em: 29 ago. 2012.
Background Note: Slovenia (em inglês). Disponível em: <http://www.state.gov/r/pa/ei/bgn/3407.htm>. Acesso em: 29 ago. 2012.
Mapa: http://www.stjost.si/sentjost/eng/zemljevid.html