Tsunami

Tsunami é um nome derivado do japonês tsu (porto, ancoradouro) e nami (onda, mar) e que designa ondas gigantes provocadas por fenômenos geológicos como maremotos, vulcões e o movimento das placas tectônicas ou até mesmo o deslizamento de grandes placas de gelo e rocha, ou ainda, eventos meteorológicos extremos e meteoritos.

Devastação causada pelo tsunami de 2011 em Sendai, Japão. Foto: U.S. Navy photo [Public domain], via Wikimedia Commons

Devastação causada pelo tsunami de 2011 em Sendai, Japão. Foto: U.S. Navy photo [Public domain], via Wikimedia Commons

O que diferencia uma onda normal de um tsunami é a freqüência. Enquanto uma onda normal possui uma freqüência de alguns segundos, os tsunamis podem ter intervalos que variam de horas a até dias, com no caso ocorrido em 1979, em Nice, na França onde o intervalo entre dois tsunamis foi de uma semana.

No caso do tsunami que tornou o termo conhecido no mundo todo, o que atingiu a Indonésia em 2004, o fenômeno foi provocado pelo movimento da placa Filipina e da placa Indo-Australiana causando um terremoto de 9 graus na escala Richter (escala criada para medir a intensidade dos terremotos e que vai de 2 a 9). Para se ter uma idéia, de acordo com esta escala, abalos desta magnitude ocorrem uma vez a cada 20 anos.

Neste caso, o abalo provocou primeiro, uma elevação da água do oceano Índico na região sobre a falha geológica próxima a costa da ilha de Sumatra. A elevação começou com 0,5 metros de altura e 160 km de amplitude que propagaram a 800 km/h. Conforme a onda se aproximava do continente e a profundidade do oceano diminuía sua velocidade ia caindo, mas, em compensação, sua altura ia aumentando. Até que, ao chegar ao continente (em algumas regiões, dependendo da profundidade do oceano e da distância do ponto inicial) a tsunami havia atingido 10 metros de altura a uma velocidade de 48 km/h.

Embora outros tsunamis já tenham ocorrido, os cientistas consideram o de 2004 como sem precedentes na história tamanho o seu poder destrutivo.
Outra característica importante é que o tsunami não é uma onda isolada, mas uma sucessão de ondas gigantes que se propagam pelo oceano até encontrar uma barreira que as freie. Ignorar isso é um dos motivos que levou a morte milhares de pessoas que, após a primeira onda voltam para suas casas e são surpreendidas por mais uma onda gigante.

O primeiro registro que se tem de um tsunami data de 1692 em Port Royal, na Jamaica e também foi causado por um terremoto seguido de um maremoto que foi responsável por colocar debaixo d’água cerca de 2/3 da cidade. O número de mortos pode ter chegado a 3.000 pessoas.

Desde então, cerca de 18 tsunamis ocorreram em diversas regiões do globo sendo que o mais famoso deles, até o tsunami de 2004, era o causado pela erupção vulcânica na ilha de Krakatoa, também, na Indonésia e que causou a morte de 36.000 pessoas. Em 2011, um tsunami causado por um tremor de magnitude 9.0 na escala Richter destruiu várias cidades na costa do Japão, danificando a usina nuclear de Fukushima, o que causou vazamento de radiação para a água e atmosfera do local. Milhares de pessoas precisaram ser transferidas para outras cidades, por conta da poluição. O acidente gerou debates acerca da segurança dessas instalações em todo mundo.

Outro fenômeno que pode ocasionar um tsunami, por exemplo, é o deslocamento de grandes porções de terra (ilhas, por exemplo) ou gelo, como o que ocorreu em 1958 em Lituya Bay, no Alasca.

Arquivado em: Geografia