Urbanização

Por Fernando Rebouças
Urbanização é o processo de tornar uma área urbana e retirar todas as características silvestres e rurais, inserindo características, instalações e infraestrutura de uma cidade (ruas, avenidas, rede de esgoto, rede elétrica, edificações, serviço urbano, etc.). A urbanização é um processo que instaura uma cidade por meio da demanda populacional, comercial e do desenvolvimento tecnológico.

Trata-se da redistribuição demográfica, de populações e localidade antes rural, em assentamentos urbanos. A urbanização também é entendida pela expansão de uma cidade.

Tradicionalmente, esse termo refere-se ao deslocamento de um grupo de pessoas que deixam uma área rural para viver em centros urbanos. Um estado ou país é considerado urbano, quando a maior parte de sua população vive nas cidades, estando a menor parcela da população no campo.

O atual fenômeno da urbanização no mundo, grande gerador de disparidades sociais e favelização, principalmente em países emergentes e subdesenvolvidos, é tema de estudo na área da sociologia, antropologia, geografia e economia. O planejamento das cidades e controle da urbanização é responsabilidade do urbanismo, do planejamento urbano, do planejamento da paisagem, do desenho urbano e da geografia.

O controle urbano, na maioria dos casos, depende de ações diretas aplicadas pelas prefeituras com o apoio de créditos de desenvolvimento concedido por instituições financeiras federais e internacionais.

Na história da humanidade, na Antiguidade já existiam grandes cidades como Roma, que no ano 100 d.C possuía cerca de 650.000 habitantes. No decorrer dos séculos, a humanidade só iniciaria um intenso processo de urbanização a partir da Revolução Industrial.

Inicialmente, na primeira Revolução industrial, a indústria nascente utilizava a mão-de-obra rural que migrara para os parques industriais para trabalhar. Esses primeiros parques industrias ficavam situados nas cidades. Posteriormente, com o avanço dos transportes e da geração da energia elétrica, as indústrias tornaram-se independentes da proximidade às cidades.

Porém, tornou-se necessário um sistema de moradia, comércio e demais serviços por parte dos operários que diariamente iam trabalhar nas fábricas, tal demanda gerou a necessidade da expansão das cidades existentes e do surgimento e crescimento das cidades pós-industriais. A urbanização modificou os hábitos da pessoas e a estrutura das famílias, no meio rural era tradicional as famílias patriarcais onde todas as gerações viviam na mesma casa. No meio urbano, sob impulso do capitalismo, tornou-se comum o individualismo e a busca de privacidade individual ou familiar, sem o comando central nas mãos de um patriarca.