Avalanche

Por Caroline Faria
Uma avalanche é um dos fenômenos denominados por “movimentos de massa” e que fazem parte da dinâmica do relevo terrestre. Elas ocorrem sempre em locais bastante íngremes e constituem o deslocamento de parte do solo e/ou material rochoso, gelo e neve.

Os movimentos de massa ocorrem sempre devido à instabilidade do material (solo, neve, gelo, rocha) ocasionada pela atuação da força da gravidade aliada a algumas características determinantes como a inclinação do terreno, presença ou não de vegetação, e principalmente, a presença de água. Outros fatores também influenciam nesse movimento, como a ocorrência de erosões, sismicidade, degradação das raízes da vegetação que “segura” o solo, tipos e estruturas de material favoráveis à instabilidade e pequenos deslizamentos.

Alguns movimentos de massa são bastante lentos, quase imperceptíveis, enquanto outros são bastante rápidos atingindo velocidades de quilômetros por hora.

A avalanche de neve ou gelo costuma ocorrer devido ao degelo de glaciais ou simplesmente pelo deslizamento do solo causado pela instabilidade que a grande quantidade de água presente nele provoca. Alguns solos possuem muitas matações (pedras soltas, muito grandes e arredondadas) que aumentam a possibilidade de ocorrer deslizamentos.

Outro tipo de avalanche muito comum é a que ocorre em regiões vulcânicas. As rochas vulcânicas ao receberem muita água da chuva ou degelo tornam-se o que é chamado em alguns lugares de “lahares”: deslizamento de terra ou lama extremamente veloz e que possui um poder muito grande de destruição. Geralmente carrega consigo, além do material piroclástico (fragmentos de origem vulcânica), pedaços de árvores, rochas, construções e o que mais houver pela frente. Esse tipo de avalanche ocorre geralmente por causa do derretimento de uma camada de gelo ou neve que se forma no topo de vulcões que estavam inativos e foram aquecidos devido à extrusão iminente.

Como pôde ser percebido, a água é um fator determinante na ocorrência dos movimentos de massa. Isso porque, a saturação do solo diminui a coesão de suas partículas o que, aliado a força cinética desta (principalmente em solos com base rochosa) e a inexistência de vegetação acarreta o deslizamento. Em solos rochosos, a água pode ter o mesmo efeito ao penetrar por cisalhamentos nestas.

Os movimentos de massa podem ser classificados quanto à direção em: vertical (queda de blocos), diagonal (rastejamento) e lateral (deslizamento).

Outra classificação é dada segundo a cinemática do movimento, tipo de material envolvido, seu tamanho e forma: o rastejo, é o nome dado aos movimentos lentos onde há o deslocamento apenas da parte superior do solo em locais com declividade de 35º ou mais e que possui uma velocidade de deslizamento maior na camada superficial; os deslizamentos que podem ainda ser divididos em escorregamentos, que ocorrem devido à presença de uma camada superficial composta por material desagregado sobre rocha fresca com espessura que vai de alguns centímetros a vários metros e chama-se “regolito”; e as corridas de massa, ocasionadas por grande presença de água que faz com que a separação do material sólido da parte aquosa seja bastante dificultada; e, por último, as quedas de blocos, movimentos verticais (ou próximos a 90º) que quase sempre ocorrem por mera ação da força de gravidade.

As avalanches encaixam-se no grupo dos deslizamentos, pois ocorrem em movimentos rápidos.