Avalanche

Licenciada em Geografia (UFG, 2003)

Avalanche, também denominada movimento de massa, são pequenas ou grandes quantidades de massa de materiais que deslizam, caem ou fluem sobre o declive do relevo terrestre. Elas podem ser provenientes de materiais como o solo, a lama, a rocha, o gelo, ou materiais inconsolidados (materiais soltos) regidos pela força de atração gravitacional terrestre. Em geral, o movimento de massa de materiais inconsolidados costumam ser mais lentos.

Avalanche em montanha. Foto: Lysogor Roman / Shutterstock.com

Causas

Esse movimento pode ser causado por um ou mais dos seguintes fatores:

  • Terremotos;
  • Saturação de água no solo;
  • Tombamento de árvores ou apodrecimento de suas raízes;
  • Inundações;
  • Erosões;
  • Declividade das encostas, etc.

As Avalanches podem ocorrer de modo quase imperceptível, como também podem acontecer de modo e intensidades abruptas, causando significativas mudanças na paisagem onde ocorrem.

Regiões montanhosas ou acidentadas, com declividade acentuada são mais propícias à ocorrência de avalanches. O intemperismo (agentes químicos e físicos que desgastam rochas e solos) e a fragmentação de rochas também contribuem na ocorrência de avalanches.

Avalanche de rochas

Avalanches de rochas são constituídas por grandes materiais rochosos que foram fragmentados. O bloco de rocha que percorre, em queda, a superfície do relevo se fragmenta em pequenas partes durante o percurso do desmoronamento. As avalanches de rochas são causadas, em sua maioria, por atividade sísmica.

Avalanche de gelo

O movimento de massa de gelo, inicialmente, é causado pelo acumulo de gelo em um determinado local (como topo de montanhas), à medida que o peso do gelo aumenta, a ação da força gravitacional começa a atuar com maior intensidade sobre essa massa de gelo. Se a superfície da rocha ou do solo que esse gelo está disposto se encontra úmido a tendência dessa massa de gelo é resultar em uma avalanche, caso a superfície esteja seca a tendência é a massa de gelo se adaptar a morfologia da rocha ou do solo.

Avalanche na neve. Foto: Andrew Arseev / Shutterstock.com

Avalanche submarina

O movimento de massa submarino ainda não pôde ser visto pela humanidade, porém os geólogos conseguiram estudar esse curioso fenômeno através da história que a Terra nos conta por meio de seus detritos. O movimento de massa submarino mais significativos estão localizados em relevos muito íngremes, como nas dorsais oceânicas e nos montes vulcânicos submarinos.

Avalanche e os tipos de fluxos

O fluxo de terra é formado por materiais menores, como os solo argilosos, geralmente ocorrem com baixa velocidade.

O fluxo de detritos é formado por materiais maiores que o fluxo de terra, como o solo arenoso, são fluxos que atingem grandes velocidades.

O fluxo de lama é constituído por materiais menores que o fluxo de detritos, e possui fragmentos de rochas, solo, mas, principalmente, a água está presente nesse tipo de fluxo.

A ação humana

As avalanche ocorrem naturalmente na maior parte dos casos, porém a ação antrópica pode ocasionar ou desencadear uma avalanche. Os movimentos de massas, na maioria dos casos, não podem ser previstos como os abalos sísmicos (terremotos) são previstos pelos especialistas. Todavia, grande parte deles podem ser evitados, prevenindo a humanidade de catástrofes.

A ação humana pode influenciar a ocorrência de avalanches na construção de rodovias, prédios e residências em locais de risco, por exemplo. Engenheiros e geólogos possuem equipamentos e saberes que podem evitar as catástrofes geradas pelas avalanches. Evitando construções em áreas propicias a esses fenômenos os riscos de acidentes catastróficos acerca desse tema reduzem significativamente.

Fontes:

UERJ – Movimentos de Massa - http://www.bvambientebf.uerj.br/arquivos/movimentos_de_massa.htm

GUERRA, A.T. Novo Dicionário Geológico-geomorfológico / 3ª edição, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2003.

John GROTZINGER, Tom JORDAN. Para Entender a Terra - 6.ed. Porto Alegre : Bookman, 2013

FERNANDES, N. F.; AMARAL, C. P. Movimentos de massa: uma abordagem geológico geomorfológica. In: Guerra, A. J. T.; Cunha, S. B. da (UFRS). Geomorfologia e Meio Ambiente. Rio de Janeiro, 2000.

Arquivado em: Geologia