Realismo no Brasil

Por Felipe Araújo
Na segunda parte do século XIX, três importantes movimentos literários floresceram: o Parnasianismo, o Realismo e o Naturalismo. O Realismo é considerado a pintura objetiva da realidade, uma forma de reação ao excesso e à espiritualidade. Alguns autores consagrados que escreveram obras realistas são: Homero, na tragédia e comédia clássica, Cervantes, Chaucer, Balzac e Dostoiévski.

De acordo com Eça de Queirós, um dos mais importantes escritores lusos, “o Romantismo era apoteose do sentimento, o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos próprios olhos para nos reconhecermos, para que saibamos se somos verdadeiros ou falsos, para condenar o que houver de mau em nossa sociedade”.

No Brasil, o início do Realismo ocorre em duas direções. A primeira é relacionada aos problemas sociais, ambiente urbano e elementos do cotidiano. Já a segunda, aconteceu no flerte do realismo com o Naturalismo. Assumindo uma posição ideológica regionalista, na qual se elevou a cor local, a vida difícil no ambiente rural brasileiro e o determinismo, negando a existência do livre-arbítrio.

Entre as principais características do Realismo brasileiro, influenciado pelo Determinismo de Taine e pelo Positivismo de Augusto Comte, existem duas linhas:

  • Marcada por Machado de Assis, de análise das classes mais abastadas da sociedade carioca, com foco em temas políticos do século XIX.
  • Com ênfase na análise comportamental dos seres humanos das camadas menos privilegiadas. Estabelece-se o condicionamento do homem.

Nesta segunda vertente, foi criado um laço entre a conduta humana e a terra, o problema de relações entre o ambiente e o homem, verificadas na abordagem Realista/Naturalista. Ainda no que se refere ao regionalismo, o realismo consolidou as expressões regionais, populares e profissionais.

Entre os escritores de ficção realista brasileiros estão: Manuel Antônio de Almeida, Aluísio Azevedo, Inglês de Souza, Adolfo Caminha, Júlio Ribeiro, Machado de Assis e Raul Pompéia. Os dois últimos estão em posição singular. No caso de Machado de Assis, por ter criado um estilo que reproduzia a realidade utilizando-se de relativa indiferença formal e sem fetichismo. Já Raul Pompéia, pela independência dos tons impressionistas que são características marcantes de sua obra.

As características dos romances realistas da primeira fase, influenciada pelo romantismo, são: vocabulário claro e simples, tonalidade natural à prosa, estudo da psicologia dos personagens e narrativa linear e imaginativa. Na segunda fase, simbolizada por Machado de Assis, o estilo fica maleável, rompe-se com a linearidade, acrescenta-se o humor ligado ao pessimismo e ao desencanto.

Fontes:
COUTINHO, Afrânio. Enciclopédia de Literatura Brasileira. 2. ed. São Paulo: Global ;  Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional; Departamento Nacional do Livro; Academia Brasileira de Letras, 2001.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Realismo_no_Brasil
http://escritores-brasileiros.info/mos/view/Escritores_Brasileiros_do_Realismo_e_Naturalismo/