Simbolismo

Por Cristiana Gomes
O cientificismo e materialismo que predominava na sociedade européia na Segunda metade do século XIX, não agradava os simbolistas.

O simbolismo reagia contra tudo que representava o materialismo e racionalismo. Ao contrário, pregavam o subjetivismo, o misticismo e a sugestão sensorial.

Tanto o Simbolismo quanto o Parnasianismo se preocupavam com a linguagem, talvez porque esses dois movimentos tenham nascido na França, na revista “Parnasse Contemporain” em 1866.

O simbolismo buscou uma linguagem que pudesse “sugerir” a realidade, em vez de retratá-la de maneira tão óbvia como faziam os realistas. Para “sugerir” a realidade, os simbolistas usavam símbolos, imagens, metáforas, sinestesias*, recursos sonoros e cromáticos (cor).

O precursor do simbolismo foi o poeta francês Charles Baudelaire (1821 – 1867). Sua poesia buscava abordar temas como miséria, prostituição, bêbados, freqüentadores desocupados das tavernas, etc. Pode parecer estranho para muitos, mas ele via poesia em todos esses assuntos.

Baudelaire deixou muitos seguidores pelo mundo afora.

OBS: Sinestesia é o cruzamento de campos sensoriais diferentes.
- Ex: Um perfume que evoca uma cor (olfato + visão)
- Um som que evoca uma imagem. (audição + visão)

CARACTERÍSTICAS
- Misticismo, religiosidade
- Desejo de transcendência e integração com o cosmos
- Interesse pelo inconsciente e subconsciente
- Subjetivismo
- Pessimismo
- Interesse pelo noturno, pelo mistério e pela morte
- Retomada de elementos da tradição romântica
- Atração pela morte e elementos decadentes da condição humana

SIMBOLISMO NO BRASIL (final do século XIX)

Na Europa, o simbolismo teve muito mais destaque do que o Parnasianismo. Aqui no Brasil, não foi assim. O Parnasianismo foi bastante valorizado pelas camadas cultas da sociedade até os primeiros anos do século XX, chamando muito mais atenção do que o Simbolismo. Mesmo assim, o Simbolismo nos deixou obras e escritores muito significativos.

O marco inicial desse movimento no Brasil foi em 1893, com a publicação dos livros “Missal” e “Broquéis” de Cruz e Sousa.

CARACTERÍSTICAS
- Valorização dos sentimentos individuais
- Isolamento da sociedade
- Conteúdo relacionado com o espiritual, o místico e o subconsciente
- Concepção mística da vida
- Ênfase na imaginação e fantasia
- Comparação da poesia com a música
- Enfoque espiritualista da mulher envolvendo-a em um clima de sonho

AUTORES E OBRAS

- CRUZ E SOUSA (1861 – 1898)

Filho de ex-escravos, Cruz e Sousa sofreu muito com o preconceito racial.

Considerado um dos mais importantes poetas da nossa literatura brasileira é o mais importante poeta simbolista.

Seus livros “Missal” e “Broquéis” (únicos publicados em vida), marcam o início desse estilo literário no Brasil.

Características de suas obras
- Preocupação formal
- Temas ligados aos mistérios da vida
- Temas voltados para os marginalizados e miseráveis
- Linguagem rica, utilizando a sonoridade das palavras para obter bons efeitos - fônicos e musicalidade.

Obras

Cruz e Sousa foi apelidado “Dante Negro” e escreveu belos poemas:

“Vida obscura”

“Triunfo Supremo”

“Sorriso Interior”

“Monja Negra”

Escreveu também alguns livros:

“Tropos e Fantasias”

“Evocações”

“Faróis”

”Últimos Sonetos”

ALPHONSUS DE GUIMARAENS (1870 – 1921)

Nasceu em Ouro Preto (Minas Gerais) e foi um dos grandes representantes do Simbolismo nacional.

Sua poesia é voltada para o tema da morte da mulher amada. Ao explorar esse tema ele se aproxima dos escritores ultra-românticos que exploravam a literatura gótica e macabra. Sua obra possui uma atmosfera mística e melancólica.

Obras

“Câmara Ardente”

“Dona Mística”

“Kiriale”

“Pastoral aos crentes do amor e da morte”

Na edição completa de sua obra, feita em 1960 por Alphonsus de Guimaraens Filho, foram incluídos os inéditos: “Escada de Jacó”, “Pulvis”, “Nova Primavera” (tradução) e “Salmos da Noite”.