Edema

Por Débora Carvalho Meldau
Edema é um aumento de fluído intersticial em qualquer região ou órgão do corpo. Ocorre devido a um desequilíbrio entre a pressão hidrostática e osmótica e é formado por solução aquosa de sais e proteínas plasmáticas e sua exata composição varia de acordo com a causa do edema. Quando este se acumula por todo o corpo, é denominado de edema generalizado, já quando limita-se a determinados locais, recebe o nome de edema localizado.

Existem três tipos distintos de edema:

  • Edema comum: quase sempre é generalizado, possuindo em sua composição água e sal.
  • Linfedema: é um edema localizado formado pelo acúmulo de linfa. Ocorre quando há obstrução dos canais linfáticos, ou então, estes foram destruídos, como nos casos de retirada de linfonodos na cirurgia de neoplasias mamárias. O esvaziamento ganglionar torna mais fácil o aparecimento deste tipo de edema no braço. Outro exemplo é a elenfantíase, gerando linfedema nos membros inferiores.
  • Mixedema: é um edema localizado que ocorre em casos de hipotireoidismo, havendo um acúmulo de água, sais e proteínas produzidas nesta afecção. Caracteriza-se por ser duro e com um aspecto de pele opaca.

Esta alteração pode ser sinal de um problema cardíaco, hepático, renal, desnutrição grave, hipotireoidismo, obstrução linfática e venosa. Essas doenças desencadeiam alterações que resultam em edema.

No caso de insuficiência cardíaca, pode ser causado pela falta de força de expansão do órgão, levando à alterações na circulação sanguínea. O indivíduo sente falta de ar, e também, por iniciar-se nos membros inferiores, pode expandir para dentro dos pulmões (edema pulmonar) e do abdômen (ascite).

No caso da doença hepática e desnutrição, a causa é a escassez de albumina plasmática. Esta, por sua vez, faz com que a circulação sanguínea ocorra normalmente. No entanto, quando em baixos níveis, não consegue mais reter a água dentro dos vasos sanguíneos, resultando na passagem desta para o interstício.

Nos casos de doença renal, o edema é formado em consequência da retenção de água e sal que não são devidamente eliminados do organismo. Na obstrução venosa e linfática, o sangue e a linfa não circulam normalmente, devido à barreiras nos vasos sanguíneos e linfáticos, acumulando nos tecidos. No hipotereoidismo, além de acumular água e sal, há ainda a presença de uma proteína associada que infiltra os tecidos.

Existe um outro tipo de edema muito comum, que é o edema idiopático, ainda de causa desconhecida. Ocorre em mulheres entre 20 a 50 anos que geralmente utilizam diuréticos e catárticos de forma indiscriminada. Além disso, quase sempre estão de dieta para emagrecer, ingerindo pouco sal. Localiza-se nos membros e face, podendo atingir todo o corpo. Estudos recentes sugerem que sua origem pode ser devido a fatores como: secreção de hormônios mineralocorticóides que retêm água e sal; diminuição dos níveis de albumina plasmática em conseqüência de dietas inadequadas; fatores circulatórios locais; permanência por longo período em pé; malfuncionamento do retorno venoso e linfático; alterações psicológicas que alteram na atividade dos hormônios femininos.

Existem alguns medicamentos que também são capazes de causar edema, dentre elas: antidepressivos; antihipertensivos; hormônios; antiinflamatórios não esteróides; uso prolongado de diuréticos e catárticos como foi anteriormente citado.

O tratamento é feito de acordo com o tipo de edema e sua causa.

Fontes:
http://meded.ucsd.edu/isp/1994/im-quiz/pededema.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Edema
http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?169
http://www.copacabanarunners.net/edema.html

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.