Fluido Intersticial

Durante a circulação do sangue, juntamente com alguns glóbulos brancos, sai dos vasos sanguíneos sob pressão, um pouco de líquido que entra no espaço entre as células corpóreas (espaços intersticiais), formando o chamado fluído intersticial ou líquido intercelular. Este fluído é uma solução aquosa clara e transparente presente entre as células de organismos multicelulares e é composto por aminoácidos, açúcares, ácidos graxos, coenzimas, neurotransmissores, sais, produtos residuais das células e também por hormônios. A composição do fluido depende das trocas entre as células do tecido biológico e do sangue. Isso significa que o fluido intersticial tem uma composição variada em diferentes áreas do corpo.

O fluido intersticial é produzido a partir do plasma, pela filtração através das paredes dos capilares, preenchendo os espaços intersticiais.  O excesso de líquido intersticial é drenado pelos capilares linfáticos, onde é chamado de linfa e é transportado para o pescoço, onde ele é devolvido para o sangue na veia subclávia esquerda.

A linfa que é o fluido resultante da drenagem do líquido intersticial é muito rica em gorduras, absorvidas pelos capilares linfáticos do intestino. E por causa dessa gordura que a linfa tem um aspecto leitoso, principalmente após uma refeição abundante. É através da linfa que os linfócitos, as células do nosso sistema imunológico, chegam ao sangue.

Depois de passar pelos gânglios linfáticos e entrar na veia cava, a linfa se mistura com o sangue aí existente, aumentando o seu volume. Mas logo o volume do sangue circulante no corpo volta a sua normalidade. Por quê? Porque durante a circulação, todo o líquido intersticial é formado, preenchendo os espaços presentes entre as células e capilares sanguíneos, o que diminui o volume do sangue. Uma das principais funções do sistema linfático, formado por vasos linfáticos e órgãos linfóides, é recolher e retornar o fluido intersticial ao sangue.

Em média, uma pessoa adulta possui cerca de 10 litros do líquido intersticial presente no corpo. Quando a concentração deste líquido é elevada nos espaços intercelulares dos tecidos do corpo, ocorre um edema (inchaço), que é devido à relação perturbada entre o plasma do sangue e o líquido intersticial (desequilíbrio entre a pressão hidrostática e oncótica). Esta perturbação pode resultar de vários fatores, incluindo a retenção de eletrólitos, especialmente o sódio, encontrado em abundância no famoso sal de cozinha, que provoca aumento na pressão sanguínea. O ideal é que adultos ingiram de quatro a seis gramas de sal por dia para evitar possíveis complicações como a hipertensão arterial.

Referências Bibliográficas:
http://www.simbiotica.org/circulatorio.htm
http://www.poderdasmaos.com/site/?p=Fluido_intersticial09986
http://pt.wikipedia.org/wiki/Fluido_intersticial