Nabo

Por Marina Martinez
O nabo é uma planta herbácea, bienal, do gênero Brassica, que possui folhas oblongas, ásperas, pubescentes de coloração verde médio a verde escuro, com flores amarelas agrupadas numa haste floral, cultivada em várias regiões temperadas do mundo por ter tubérculos comestíveis. Estes tubérculos que são encontrados em formatos variados podem ter coloração uniforme ou bicolor, sendo as cores mais comumente encontradas o branco e o roxo. Os tubérculos de nabo são conhecidos pelo sabor característico levemente amargo, porém refrescante, apreciado na culinária de vários países principalmente em saladas.

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Brassicales
Família: Brassicaceae
Gênero: Brassica
Espécie: Brassica rapa

Da família Brassicaceae, da qual estão inclusas mais de três mil espécies, entre elas a mostarda, o repolho e a couve, o nabo, assim como os outros membros do gênero Brassica, é de origem européia e foi introduzido no Brasil pelos colonizadores portugueses. Desde então, tem sido parte da alimentação dos brasileiros por ser um alimento saboroso e bastante nutritivo.

Os tubérculos de nabo são ricos em vitamina C, fibras e sais minerais como o potássio, sódio, cálcio e fósforo. Por conter baixas calorias (100 gramas de nabo oferece apenas 35 calorias), o nabo é muito indicado em dietas de restrições calóricas, por ser leve e ainda ajudar no processo de digestão. Além disto, o nabo possui muitas propriedades medicinais. Ele é diurético, expectorante, purificador do sangue, emoliente, antipirético, alcalinizante e possui um leve efeito laxativo. No entanto, nos tubérculos também são encontradas quantidades mensuráveis de oxalatos, substâncias que se excessivamente concentrada nos fluidos corporais podem se cristalizar e causar sérios danos a saúde.

As folhas de nabo também são comestíveis e seu sabor é semelhante ao de mostarda. Mais nutritivas do que os tubérculos, as folhas de nabos são uma excelente fonte de beta-caroteno (Vitamina A), contêm boas doses de vitamina K, C, folatos e cálcio. Além disto, as folhas possuem uma substância chamada luteína, um poderosos antioxidante carotenóide.

Os nabos se desenvolvem muito bem em solos moderadamente profundos, bem drenados e férteis, cujo PH esteja em torno de 6,5 a 7,0. Requerem boa luminosidade e são cultivados o ano todo no Brasil. Porém, a época de plantio mais recomendada é durante os meses de fevereiro a julho. A condição climática ideal para os nabos são temperaturas que estejam em torno de 14 a 22ºC e conseguem suportar geadas ligeiras.

Assim como todas as plantas, os nabos estão susceptíveis aos ataques de várias pragas agrícolas como os pulgões, também chamados de piolhos-das-plantas. Estes seres diminutos se alimentam da seiva da planta causando sérios estragos e uma forma de combatê-los é pulverizando sulfato de nicotina nas plantas.

Fontes:
http://www.cm-guimaraes.pt/files/1/documentos/horta/comocultivar/NABO.pdf
http://www.plantaseervas.oi.com.br/plantaservas/especies/Brassica_napus.htm
http://www.segs.com.br/nabo.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Nabo