Verbo ser

Graduada em Letras-Português (UFSC, 2013)

O verbo ser é considerado um verbo anômalo, já que apresenta radicais primários diferentes na sua conjugação.

O verbo ser também é um dos verbos auxiliares mais utilizados. Ele aparece nas chamadas locuções verbais, que são formas compostas obtidas a partir da combinação de verbos. Em geral, os verbos auxiliares são os primeiros elementos das locuções verbais.

Ex.: Somos castigados pelos nossos erros.

Concordância do verbo ser

O verbo ser pode concordar ora com o sujeito e ora com o predicativo:

a) quando o sujeito e o predicativo apresentarem flexões diferentes, o verbo ser concorda com o elemento que estiver no plural.

Ex.: Muitos carros importados eram o seu desejo secreto.

Observação: Nesses casos, também ocorre a concordância do verbo ser com o elemento no singular, quando a intenção é mostrar que um prevalece sobre o outro.

Ex.: O amor é sonhos.

b) quando o sujeito é uma palavra que representa um coletivo, o verbo concorda com o predicativo.

Ex.: A maioria eram mulheres.

c) quando o sujeito ou o predicativo for um pronome pessoal, o verbo ser concorda com o sujeito.

Ex.: Ele era as preocupações do pai.

d) quando o sujeito for os pronomes tudo, aquilo, isso, o, isto o verbo deve concordar com o predicativo.

Exs.:

Aquilo eram animais perigosos.

Tudo eram alegrias e cânticos.

e) quando o verbo ser indica horas, dias e distância, ele torna-se impessoal e concorda com o numeral que, nesses casos, exerce a função de predicativo.

Exs.:

Eram duas e meia da tarde e ela ainda estava dormindo.

Éuma quadra até a padaria.

Observação: quando o verbo ser está indicando dia, a concordância do verbo pode ser feita de três maneiras: concordando com a palavra dia explícita, concordando com o numeral, ou concordando com a palavra dia oculta.

Exs.:

Hoje é dia 10 de maio.

Hoje são 10 de maio.

Hoje é 10 de maio.

f) quando o verbo ser é utilizado com as locuções é muito, é pouco, é bom, é demais, é mais de, é menos de, é tanto o verbo fica no singular.

Exs.:

Duzentos reais é muito para essa bolsa.

Um é pouco, dois é bom, três é demais.

Bibliografia:

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 38 ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.
CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima gramática da língua portuguesa. 41 ed. São Paulo: Editora Nacional, 1998.
PERINI, Mario A. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.
SOUZA, Jésus Barbosa de; CAMPEDELLI, Samira Youssef. Minigramática. 2 ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2000.

Arquivado em: Português