Período Neolítico

No começo da humanidade caçar e coletar alimentos eram, em grande medida, as tarefas de subsistência. Em algum momento, entretanto, isso mudou, e segundo Bocquet-Appel e Bar-Yosef, há uma revolução que marca o chamado período Neolítico (ou Idade da Pedra Polida) : os caçadores e coletores abandonam essas tarefas e começam a cultivar plantas e animais.

Esta mudança na forma de obtenção de alimentos foi essencial para o aumento da complexidade social e aumento populacional marcantes da espécie humana. Duas grandes mudanças ocorreram com a prática do cultivo de alimentos, a saber, a mudança do estilo de vida dos coletores e caçadores, antes nômades, para sedentários ou semi-sedentários, e o impacto que essa nova forma de vida teve na fertilidade tanto masculina quanto feminina.

A maior certeza na aquisição de alimento modifica grandemente decisões de organização social, como número máximo dos grupos sociais e reprodução, complexidade linguística dos grupos, dentre outros. Essa expansão chegou, em alguns casos, a níveis continentais. Colin Renfrew e Peter Bellwood criaram, para descrever esse acontecimento, o termo “Hipótese da dispersão de cultivo/linguagem”.

Torna-se interessante ressaltar, entretanto, que o cultivo de plantas e animais não excluiu a caça e coleta de recursos. A arqueologia mais recente, segundo Julian Thomas, já rejeitou a ideia de uma ruptura tecnológica, e hoje vê como um cenário mais correto a coexistência destas práticas. Outra ideia errônea que o autor procura esclarecer é que nem todas as culturas que viveram durante o período neolítico produziam sua própria comida, e isso não as impediu de desenvolver complexidade social, dado que conhecemos exemplos de culturas que, sem desenvolvimento prévio de qualquer forma de agricultura, produziram monumentos de grande complexidade.

Além disso, os próprios meios de desenvolvimento das habilidades de produção de alimentos variaram grandemente a depender da região. Nos sítios em Zagros, como Ali Kosh e Jarmo, por exemplo, parece ter havido uma grande dependência na obtenção de alimento pela domesticação de animais, além de estruturas arquitetônicas rudimentares; Já em Levant, porém, os primeiros indícios de construções de edifícios, cultivo de legumes e produção de objetos ritualísticos todos precederam às técnicas de cultivo de animais para fins de subsistência.

O período Neolítico, portanto, apesar de grandemente marcado pelo começo da indústria agropecuária, não ocorreu de forma uniforme no mundo, com diversas culturas desenvolvendo diferentes tipos de técnicas, algumas com maior desenvolvimento na produção de grãos e legumes, outras na domesticação de animais, e há casos em que não se percebe nenhum desenvolvimento deste tipo, mantendo-se a caça e coleta de alimentos.

Bibliografia:

BOCQUET-APPEL, Jean-Pierre; BAR-YOSEF, Ofer. The Neolithic Demographic Transition and its Consequences. Berlim: Springer Science & Business Media, 2008, 542 p.

THOMAS, Julian. Understanding the Neolithic. Nova Iorque: Routledge, 2002, 280 p.

Arquivado em: Pré-História