Predatismo

Na predação ou predatismo, um indivíduo (predador) se alimenta de outro (presa), que é de uma espécie diferente da sua. Corujas que se alimentam de pequenos mamíferos e sapos que se alimentam de insetos são exemplos deste tipo de relação ecológica.

Anfíbios da família Hylidae em relação de predação (Trachycephalus vs Scinax). Foto: © Izalete Tavares.

Anfíbios da família Hylidae em relação de predação (Trachycephalus vs Scinax). Foto: © Izalete Tavares.

Quando a predação consiste em um animal que se alimenta de plantas ou de alguma de suas partes, temos a herbivoria. É uma relação de grande importância, pois isso garante a transferência da energia captada pelos vegetais (seres produtores) aos demais níveis tróficos das cadeias alimentares. São exemplos de animais herbívoros os bovinos (Bos taurus) e a lagarta do bicho-da-seda (Bombyx mori).

Muitas espécies possuem características que atuam na defesa contra predadores, como tartarugas e jabutis, que se retraem em seus cascos na presença do predador, ou plantas que produzem substâncias tóxicas em pelo menos uma de suas partes, como a mandioca-brava (Manihot utilissima). Suas folhas e raízes são dotadas de substâncias que, quando ingeridas, causam cansaço, falta de ar, taquicardia, agitação e até a morte.

Predação na regulação das populações

Do ponto de vista individual, as espécies predadoras beneficiam-se, ao passo que as presas são prejudicadas. Já do ponto de vista ecológico, a predação é um fator que atua na regulação da densidade populacional, tanto das presas como dos predadores.

Um exemplo do papel da predação no equilíbrio ambiental foi o caso observado no Planalto de Kaibab, nos Estados Unidos, no início do século XX.

O veado da espécie Odocoileus hemionus teve sua caça proibida, ao mesmo tempo que a caça de seus predadores naturais – coiotes, pumas e lobos – foi estimulada. Como consequência disso, a população de veados aumentou rapidamente, indo, em cerca de 20 anos, de 4 mil a 100 mil indivíduos.

Os campos, porém, já não suportavam tantos veados, pois podiam comportar, no máximo, até 30.000 animais. Em resposta a isso, o ambiente não pôde mais fornecer alimento aos veados, pois estes se alimentaram das gramíneas até suas raízes, além de terem pisoteado o solo a tal ponto que já não era mais possível a recuperação das pastagens.

Com a capacidade suporte do ambiente ultrapassada, os veados começaram a morrer de fome e doenças, e o número de animais diminuiu bruscamente. Em cerca de 15 anos, sua população reduziu-se a menos de 10 mil indivíduos, porém, ainda assim o capim não voltou a brotar como antes, uma vez que o solo já estava comprometido.

Referências bibliográficas:

AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia em Contexto. 1ª edição. São Paulo: Editora Moderna, 2013.

TOWNSEND, Colin R.; BEGON, Michael; HARPER, John L. Fundamentos em Ecologia. 3ª edição. Porto Alegre: Artmed, 2010.

Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF. Plantas tóxicas. 2016. Disponível em: < http://www.ufjf.br/proplamed/files/2011/03/a10-Plantas-t%C3%B3xicas.pdf>. Acesso em 06 nov. 2016.