Predatismo

Por Marina Martinez
Predatismo ou predação é uma relação interespecífica (que ocorre entre espécies diferentes) desarmônica, onde há prejuízo para uma das espécies.

A espécie predadora em busca de alimentos para sobrevivência caça outras espécies (presas), que geralmente estão situadas em um nível trófico inferior ao do predador.

Os predadores necessitam de capturar alimentos saciáveis e por isso se adaptam a reconhecer presas evitando espécies não comestíveis. Sabe reconhecer espécies venenosas ou não palatáveis devido à lembrança das reações adversas de suas caçadas anteriores.

As interações entre presas e predadores são muito complexas e sofrem mudanças no tempo evolutivo. Os predadores evoluem em suas várias habilidades de capturar e consumir presas. Da mesma forma as presas evoluem em suas várias formas de defesas (camuflagem, mimetismo, por exemplo).

Os predadores possuem fortes influências sobre a abundância de espécies em vários níveis tróficos e exercem um importante papel no equilíbrio entre estas. Se os predadores carnívoros não existissem, os animais herbívoros, por exemplo, se multiplicariam cada vez mais o que resultaria no declínio de material vegetal disponível.

  • Os predadores podem ser divididos de acordo com sua dieta em:
  • Monófagos: São espécies que consomem apenas um tipo específico de presa.
  • Estenófagos: São espécies que consomem um número restrito de presas.
  • Oligófagos: São espécies que consomem um número moderado de presas.
  • Polígafos: São espécies que consomem vários tipos de presas.
  • Insaciáveis: São espécies que matam indiscriminadamente. Como as aranhas, por exemplo.

Algumas espécies para tentarem sobreviver e diminuir as chances de serem capturados, encontrados ou ingeridos aos ataques de predadores, adaptaram recursos de defesas como:

  • Mimetismo: Através do mimetismo alguns animais conseguem se tornarem similares a outros animais, com a intenção de aparentar uma espécie que na verdade não é, obtendo assim uma grande chance de sobrevivência. Como exemplo pode-se citar a cobra falsa-coral que com o mimetismo se assemelha a cobra coral verdadeira que é bastante venenosa e assim não é importunada por alguns predadores.
  • Camuflagem: Com a camuflagem alguns animais conseguem se tornarem parecidos com o meio em que vivem. Como exemplo pode-se citar o inseto bicho-pau que tem aparência de um graveto e vive em galhos de árvores semelhantes a sua forma, conseguindo disfarçar o predador.
  • Aposematismo: Alguns animais através do aposematismo adquirem cores vivas e acentuadas pelo corpo, causando um sinal de advertência aos predadores que reconhecem como presas perigosas ou impalatável evitando assim atacá-las. Como exemplo as rãs que com cores fortes chamam a atenção do predador de que é portadora de toxinas.
  • Tanatose: Alguns animais para disfarçarem seus predadores têm a capacidade de se fingir de morto. É muito comum este tipo de comportamento em anfíbios anuros, principalmente os pertencentes da subfamília Phyllomedusinae (Hylidae).

Referências Bibliográficas:
http://ecopoptarefas.tripod.com/id1.html
http://www.biologia.ufrj.br/labs/labvert/Ecobasica/Aula 6.pdf
http://pt.wikipedia.org/wiki/Predação