Marrocos

O Reino do Marrocos (em árabe: Al-Mamlaka al-Maghribiya) é um país localizado ao norte da África, com um território de 446.550 km², um pouco maior que o Paraguai. O país tem uma população de cerca de 34.859 364 milhões e sua capital é Rabat. As fronteiras do Marrocos são a Argélia a leste, o Oceano Atlântico a oeste, o Mar Mediterrâneo a norte e o Saara Ocidental (anexado pelo Marrocos à Espanha, em 1975, ato até hoje não reconhecido pela ONU e pela maioria dos países da União Africana) ao sul. A língua oficial é o árabe. A maioria dos marroquinos, 98,7% seguem a religião islâmica, e o restante divide-se entre outras crenças religiosas.

Os marroquinos são predominantemente muçulmanos sunitas de origem árabe, berbere, ou ascendência árabe-berbere mista. Os árabes trouxeram o Islã, junto com a língua e a cultura para o norte da África durante as conquistas muçulmanas do século VII. Hoje, existe ainda uma pequena comunidade judaica, assim como uma grande população de expatriados cristãos, ambos gozando de liberdade religiosa e de plenos direitos civis. Marrocos é também o lar de uma comunidade Baha'i de cerca de 300 a 500 pessoas que nos últimos anos tem praticado seu culto livre da interferência do governo.

A localização estratégica do Marrocos moldou sua história. Começando com os fenícios, muitos estrangeiros foram atraídos para esta área, entre eles, romanos, visigodos, vândalos e gregos bizantinos governaram sucessivamente os povos locais. Forças árabes começaram a ocupar Marrocos no século VII, trazendo sua cultura e o Islã. A dinastia Alaouita, que governa Marrocos desde 1649, alega descendência do profeta Maomé.

Sua localização e abundância de recursos levou à concorrência entre as potências europeias pelo domínio da região, começando com os portugueses controlando a costa atlântica, no século XV. Após o reconhecimento pelo Reino Unido em 1904 de "esfera de influência" da França em Marrocos, a Conferência de Algeciras (1906) formalizou a "posição especial" da França e confiou o policiamento de Marrocos à França e Espanha em conjunto. O Tratado de Fez (1912) tornou o Marrocos um protetorado da França. Pelo mesmo tratado, a Espanha assumiu o papel de proteger as zonas norte e sul.

Partidos políticos nacionalistas iniciam uma forte campanha pela independência após a Segunda Guerra Mundial. Em 1953, a França exilou o altamente respeitado Sultão Mohammed V e substituiu-o pelo impopular Mohammed Ben Aarafa. O reinado de Ben Aarafa foi amplamente percebido como ilegítimo, e provocou oposição sistemática ao domínio francês. A França permite o retorno de Mohammed V em 1955, e Marrocos se torna independente em 02 de março de 1956.

O país recuperou o controle sobre certas áreas governadas por meio de acordos com a Espanha em 1956 e 1958. A cidade internacionalizada de Tânger foi reintegrado ao Marrocos com a assinatura do Protocolo de Tânger em 29 de outubro de 1956. O enclave espanhol de Ifni, no sul tornou-se parte de Marrocos em 1969. Espanha, no entanto, mantém o controle sobre os enclaves costeiros pequena de Ceuta e Melilla, no norte, as chamadas "Plazas de soberanía", em espanhol.

Hassan II tornou-se rei em 1961. Durante a década de 1990, o rei fez grandes avanços em direção à liberalização econômica e política. Ele faleceu em 23 julho de 1999, e foi sucedido por seu filho, Mohammed VI, atual monarca, que prometeu continuar as reformas.

Bibliografia:
Marrocos. Disponível em <http://www.portalbrasil.net/africa_marrocos.htm>. Acesso em: 18 dez. 2011.

Background note: Morocco(em inglês). Disponível em <http://www.state.gov/r/pa/ei/bgn/5431.htm>. Acesso em: 18 dez. 2011.

Arquivado em: África