São Tomé e Príncipe

A República Democrática de São Tomé e Príncipe é um país localizado à África Equatorial, sendo constituído por duas ilhas principais, cujos nomes perfazem também o nome do Estado (Ilha de São Tomé - com capital na cidade de São Tomé, com 859 km² de território, e Ilha do Príncipe, com capital na cidade de Santo Antonio, tendo 142² km de área). Além destas duas ilhas principais, vários outros ilhéus menores compõem o território, num total de 1001² km de extensão, fazendo de São Tomé e Príncipe o segundo menor país africano em território. A capital do estado é a já mencionada cidade de São Tomé, que conta atualmente com cerca de 60 mil habitantes. A língua oficial é o português, sendo que dialetos crioulos como forro, angolar e principense são largamente utilizados pela população.

Cerca de 96% da população santomense de 169 000 pessoas habita a ilha de São Tomé, estando o restante localizado na Ilha do Príncipe. O ponto mais alto do território é o Pico de São Tomé, na ilha principal, com 2024m de altura. Seu território faz parte da Linha vulcânica dos Camarões, uma falha geológica que inclui as ilhas do país vizinho, a Guiné Equatorial (Bioko, onde se localiza a capital daquele país, Malabo) e Annobon, com esta última habitada por uma população com extrema afinidade com o povo santomense, etnicamente, linguística e culturalmente.

A moeda do país é a Dobra, desde a independência, trazendo também, desde sempre, a figura do Rei Amador, ícone santomense, uma espécie de Zumbi dos Palmares local, que viveu cerca de cem anos antes do herói brasileiro. Apesar de ainda ter uma economia modesta, São Tomé e Príncipe vem se beneficiando das grandes jazidas de petróleo existentes em suas fronteiras, fazendo com que os cidadãos disfrutem de um nível de vida levemente superior à da maioria dos países africanos.

Colônia de Portugal desde cerca de 1470 até 1975, São Tomé e Príncipe possuía tríplice importância na rota comercial do Império Colonial Português, servindo como entreposto para os navios, feitoria produtora de cana-de-açúcar e cacau, além de base para estabelecer comércio (principalmente escravagista) com o continente. Para trabalhar nos engenhos e realizar todo o trabalho braçal recusado pelos colonizadores brancos, foram trazidos cativos de Angola, país com o qual São Tomé mantém laços afetivos estreitos exatamente por essa origem em comum dos dois povos. Tornou-se independente sob a bandeira do movimento independentista MLSTP (Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe) baseado no Gabão durante uma década e meia, sendo o primeiro presidente o líder do movimento, Manuel Pinto da Costa, que foi novamente conduzido ao cargo nas eleições nacionais ocorridas em 2011.

Bibliografia:
Atlas de São Tomé e Príncipe. Disponível em <http://atlas.saotomeprincipe.eu/0_atlasstp_indexgral.htm>. Acesso em: 28 set. 2011.

Presidência da República Democrática de São Tomé e Príncipe. Disponível em <http://www.presidencia.st/>. Acesso em: 28 set. 2011.

Banco Central de São Tomé e Príncipe. Disponível em <http://www.bcstp.st/NotasMoedas.aspx>. Acesso em: 28 set. 2011.

Mapa: http://www.frsp.org/CIP_PLOP/paises_tome_principe.php

Arquivado em: África