Lince

Mestre em Zoologia (UESC, 2013)
Graduado em Ciências Biológicas (UEG, 2010)

Um dos felinos mais admirados pela sua beleza exótica, o lince é considerado um animal de médio porte, com peso entre 13 e 40 kg em média e comprimento variando de 100 à 130 cm. As medidas variam de espécie para espécie. O nome lince, vem do próprio gênero das espécies, Lynx, que por sua vez vem do grego antigo lúnx mas alguns consideram originada do proto-indo europeu lewk. De qualquer modo, todos os termos significam “brilhante, claro”, em referência àos brilhos dos olhos dos linces quando avistados à noite.

É um animal de comportamento solitário e hábitos geralmente noturnos. Por ser um caçador que usa táticas de espreita, o lince é bastante silencioso ao caminhar, dificultando ainda mais sua visualização em ambientes naturais. Em algumas comunidades dos Bálcãs, uma região do sudeste europeu formada por países como Bósnia, Bulgária, Sérvia e Grécia, os linces são considerados “fantasmas”, pelo fato de raramente serem vistos.

Os linces são caçadores ativos e a maioria da suas presas é composta por animais de pequeno porte como roedores, lebres, coelhos e aves. No entanto podem capturar filhotes e espécimes jovens de alces, de javalis e de ibex (uma espécie de cabra montesa).

Lince-euroasiático com sua presa. Foto: dirkr / Shutterstock.com

Geralmente associado à áreas frias, os linces ocorrem em boa parte do hemisfério norte, com representantes tanto na América do Norte, quanto na Europa e Ásia. Atualmente existem quatro espécies de linces, que são:

Lince-euroasiático (Lynx lynx)

É o maior dos linces, podendo alcançar até 30kg de massa corporal. A coloração da pelagem varia muito, com indivíduos vermelho-amarronzados, acinzentados e amarelados. Cerca de 75% desses animais estão distribuídos em território russo, mas também podem ocorrer em áreas da Escandinávia, China e Ásia Central. Podem ser encontrados inclusive no Himalaia.

Lince-pardo (Lynx rufus)

A coloração da pelagem varia de tons de cinza à marrom-ferrugem, com marcas escuras que variam entre pequenas e grandes pintas. A cauda tem de três à seis faixas escuras e a ponta, bem como o ventre da mesma são brancos. Podem ocorrer espécies melânicas (com pelagem preta). É uma espécie bem distribuída na América do Norte, ocorrendo do sul do Canadá, até o norte do México.

Lince-ibérico (Lynx pardinus)

A pelagem pode ir do amarelo-acinzentado ao vermelho-amarronzado, com manchas e pintas sólidas. Possuem uma “juba”branca no rosto e orelhas com longos tufos pretos. A ponta da cauda também é preta. Os linces-ibéricos, como o próprio nome diz, estão restritos à península ibérica, em territórios da Espanha e Portugal.

Lince-do-Canadá (Lynx canadensis)

A coloração da pelagem é uniforme, acinzentada podendo variar entre estações: cinza-prateada no inverno à amarronzada no verão. Podem ter ou não pintas, geralmente quando tem são bem discretas e nos membros. A cauda é mais curta que a do lince-pardo (a outra espécie que pode ocorrer junto com o lince-canadense) e a ponta é completamente preta. Como o nome já diz, a espécie ocorre na maior parte do Canadá e em alguns locais ao norte dos Estados Unidos.

Lince-do-Canadá (Lynx canadensis). Foto: Erni / Shutterstock.com

Referências

Hunter, L. (2019). Carnivores of the world (Vol. 117). Princeton University Press.

Lescureux & Linnell 2010 - Knowledge and perceptions of macedonian hunters and herders - the influence of species specific ecology of bears, wolves and lynx

NOWAK, Ronald M. Walker's Carnivores of the World. JHU Press, 2005.

Arquivado em: Mamíferos