Lobo-guará

Mestre em Zoologia (UESC, 2013)
Graduado em Ciências Biológicas (UEG, 2010)

O lobo-guará é o maior canídeo (família que inclui os cães, lobos e raposas) da América do Sul. Seu nome científico (Chrysocyon brachyurus) retrata suas principais características físicas, Chryso=vermelho; cyon=cão; brachy=curta; urus=cauda, ou seja, é um cão vermelho de cauda curta. O próprio termo “guará”, deriva do aguará, do tupi-guarani, que significa vermelho. Apesar de ser chamado de lobo, o lobo-guará é um parente mais próximo dos pequenos canídeos sul-americanos, como cachorro-vinagre, do que dos lobos (Cannis lúpus) norte-americanos.

Características

A maior parte da pelagem é laranja-avermelhada com pernas pretas e longas, a garganta e a ponta da cauda são brancas e a crina preta. Suas orelhas são proporcionalmente grandes em relação à cabeça, é um animal alto e esguio, com os maiores machos alcançando até 74 cm de altura nos ombros e máximo de 40 kg.

O aspecto longilíneo, bem como sua coloração torna o lobo-guará único e fácil de se reconhecer. Foto: Vladimir Wrangel / Shutterstock.com

Reprodução

É um animal solitário, os encontros ocorrem apenas em períodos reprodutivos. Os machos e as fêmeas podem formar pares e dividir um território, no entanto não costumam dividir suas atividades, como caçar. Os lobos são catemerais, ou seja, andam tanto de dia quanto de noite, preferindo no entanto os períodos crepusculares (amanhecer e entardecer) e noturnos. A reprodução ocorre entre abril e junho e os filhotes nascem entre em junho e setembro (56 a 67 dias de gestação). Podem nascer de um à sete filhotes, média de três por ninhada. Os filhotes nascem completamente pretos e ficam nas tocas escavadas pelas mães até cerca de sete semanas de idade.

Os machos podem acompanhar as fêmeas com os filhotes, mas ainda não se sabe exatamente seu papel na criação deles. Com um ano de idade os filhotes já estão maduros e prontos para reproduzir, mas acredita-se que a primeira reprodução ocorra somente aos dois anos.

Alimentação

Lobo-guará. Foto: Elenarts / Shutterstock.com

É um animal de áreas abertas, preferindo habitar campos limpos e sujos. Não costuma habitar ambientes florestais e essa preferências sedimenta uma das hipóteses de porquê tem as pernas tão longas, uma vez que percorrendo o capim alto teria que ficar um nível acima para enxergar presas ou qualquer ameaça.

O lobo-guará é um animal onívoro, ou seja, se alimenta tanto de plantas como animais. Ele pode se alimentar de roedores, tatus, aves, lagartos, cobras (inclusive venenosas), artrópodes e uma grande variedade de frutos. Há casos de predação de animais maiores pelo lobo, como tamanduás-bandeira, veados-mateiros e veados-campeiros. Um dos principais alimentos do lobo leva em seu nome a referência à seu principal consumidor, a lobeira (Solanum lycocarpum). Essa fruta é típica do Cerrado e se por um lado alimenta o lobo, este ajuda a dispersar as sementes desta planta em suas fezes.

Ameaças

Apesar de ser um animal de extremamente bonito, peculiar e símbolo do Cerrado, o lobo-guará é constantemente ameaçado por atitudes humanas. O desmatamento reduz sua área de vida forçando-os a migrar para outros locais. Lobos podem predar animais domésticos (como galinhas e patos), mas isso não é um evento muito comum, no entanto por desconhecimento e devido ao seu porte ele é tratado como predador por algumas populações sertanejas o que leva ao seu abate quando estes se encontram. Pelo fato de ter uma área de vida grande (que pode chegar a mais de 100 km²) o lobo frequentemente cruza estradas, isso associado ao fato de que pode se alimentar de carcaças de animais atropelados coloca o próprio lobo em grande risco de atropelamento.

Referências

DIETZ, J M. Chrysocyon brachyurus. Mammalian Species, n. 234, p. 1–4, 1985.

PAGLIA, A.P. et al. Lista Anotada dos Mamíferos do Brasil / Annotated Checklist of Brazilian Mammals. [S.l: s.n.], 2012. v. 4.

Paula, R.C. & DeMatteo, K. 2015. Chrysocyon brachyurus (errata version published in 2016). The IUCN Red List of Threatened Species 2015: e.T4819A88135664.

SILLERO-ZUBIRI, Claudio; HOFFMANN, Michael; MACDONALD, David W. Canids: Foxes, Wolves, Jackals and Dogs. [S.l: s.n.], 2004.

Arquivado em: Mamíferos