Avestruz

Graduação em Ciências Biológicas (UNIFESP, 2014)

O avestruz (Struthio camelus) é uma ave que pertence a ordem Struthioniformes (aves ratitas), família Struthionidae. Seu esterno, com 4 cm de espessura, é uma grande placa óssea achatada que protege e aloja os pulmões e o coração. Essa estrutura impossibilita o animal de voar, assim como nas outras aves ratitas. Em compensação, o avestruz possui uma musculatura nos membros posteriores extremamente desenvolvidas, o que os torna excelentes corredores, podendo atingir até 70 km/h.

É a maior ave existente, com cerca de 2m de altura e 150kg. Os machos são maiores e de coloração preta, enquanto as fêmeas são predominantemente cinzas e menores. São animais onívoros e se alimentam principalmente de grama, sementes, insetos e pequenos animais. São aves nativas da região desértica da África do Sul, porém atualmente é encontrado em natureza na África Oriental, na região do Saara, no Oriente Médio e até em grandes savanas. Os maiores plantéis estão situados na África do Sul, Brasil, Estados Unidos, China, Austrália, Espanha e Canadá.

Avestruz (Struthio camelus). Foto: Artush / Shutterstock.com

Essas aves ratitas são extremamente resistentes e podem viver até 70 anos em cativeiro. Os machos se tornam sexualmente maduros com três a quatro anos de idade; fêmeas com dois a três anos, podendo se reproduzir até os 40 anos de idade. São polígamos e capazes de se reproduzir o ano todo, com um período de descanso de pelo menos 3 meses de uma postura para outra para ambos os sexos. Geralmente evitam a reprodução em épocas de chuva e de escassez de alimentos, sendo que no Brasil o período reprodutivo normalmente acontece entre os meses de agosto e fevereiro. A fêmea coloca de 30 a 50 ovos por ano, com incubação de 42 dias, dos quais serão gerados de 20 a 25 filhotes viáveis. A estação reprodutiva dura em média de 6 a 7 meses.

Por serem aves de fácil manejo e manutenção e pela alta procura por seus subprodutos, a criação de avestruzes para fins comerciais (estrutiocultura) é muito comum em diversos países e vem crescendo muito em território nacional, deixando de ser classificada como exótica e passando a ser ave de produção zootécnica pelo IBAMA a partir de 2002. As principais regiões brasileiras que atualmente desenvolvem essa atividade são Sudeste, Nordeste e Centro-oeste. Alguns dos subprodutos provindos da estrutiocultura são: carne- rica em Ômega 3 e muito macia, couro - é o mais caro do mundo depois do couro de crocodilo, ovos - equivale aproximadamente a 25 ovos de galinha, bicos e unhas- utilizados na confecção de jóias e botões, bico - utilizado na produção de remédio para o coração e tendões que podem ser transplantados para humanos.

Avestruz. Foto: Amy Nichole Harris / Shutterstock.com

Bibliografia:

Javier Fernando Pulido Jimenez- Comportamento de avestruzes (Struthio camelus) criados em sistemas de casais ou trios durante o descanso reprodutivo- Dissertação de Mestrado em Ciências Agrárias, Universidade de Brasília, 2008

Paola Penteado de Oliveira- Fatores relacionados com a produtividade de ovos de avestruzes (Struthio camelus)- Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campus de Botucatu, 2006

Rotta, Desirée M.; Siquira, Geraldo P.; Costa, Kenyon V.; Silva, Luciana F.;Zancan ,Fábio T.- Manejo de Avestruzes da Cria a Produção- Revista Brasileira de Agropecuária - Especial Avestruz. São Paulo. Nº 2 – Ano 1.

http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infantil/avestruz.htm

Arquivado em: Aves