Aves ratitas

Graduação em Ciências Biológicas (Unicamp, 2012)
Mestrado Profissional em Conservação da Fauna Silvestre (UFSCar e Fundação Parque Zoológico de São Paulo, 2015).

As aves são uma classe de animais vertebrados, que tem quem como característica básica a presença de penas. Desenvolveram o voo durante o Mesozóico, a partir de uma linhagem de dinossauros. Estudos mostram que as penas evoluíram antes do próprio voo, tendo primeiro a importância para a manutenção de temperatura corpórea, para depois terem função para voo. São conhecidas, em torno de 10.000 espécies de aves no mundo todo. Graças a sua capacidade de voar, ocupam todos os habitats terrestres, em todos os continentes. As regiões tropicais são as que abrigam a maior diversidade delas.

As aves ratitas não possuem o esterno em forma de quilha, sendo achatado, além de serem geralmente pesados e possuírem asas pequenas e atrofiadas, usadas para o direcionamento, enquanto correm. Isso determina a incapacidade de voo nesses animais. Porém, são excelentes corredoras, já que, geralmente possuem pernas longas e mudanças morfológicas em seus pés que melhoram o contato com o solo, como os artelhos voltados para frente, além da sua diminuição, como no caso do avestruz, que só tem dois artelhos em contato com o chão.

Características

As aves são animais cordados, vertebrados, bípedes, craniados, deuterostômios, alantoidianos, celomados, endotérmicos. Além de pena, possuem bico que varia em formato, conforme o tipo de alimentação da espécie; São pulmonados, a pele tem ausência de glândulas, exceto a uropigiana (produção de substância impermeabilizante para as penas) que aparece em muitas espécies.

O sistema digestivo é constituído de bico (de queratina e sem dente), papo (onde se armazena o alimento ingerido), moela (onde ficam as pedras ingeridas que ajudam a moer o conteúdo ingerido) e no fim do canal tem a cloaca, usada também na reprodução.

A circulação sanguínea é fechada, sendo que o coração possui quatro câmaras, sem mistura do sangue arterial e venoso. A artéria aorta possui curvatura para direita.

São dioicos, ovíparos, sendo que os ovos possuem casca calcária. A reprodução é sexuada e a fecundação interna. O comportamento reprodutivo varia de espécie para espécie, desde o acasalamento.

A classificação taxonômica é controversa, mas alguns estudiosos dividem as aves em dois grupos: Neognathae (carinatas) e Paleognathae, que perderam a capacidade de voar. Paleognathae é composto por Tinamiformes (aves endêmicas da região neotropical, que têm aparência parecida com galináceo), que fazem voos muito curtos; e ratitas que não voam.

São quatro ordens: Emu e casuar (ordem Casuariiformes), ema (ordem Rheiformes), avestruz (ordem Struthioniformes) kiwis (ordem Apterygiformes ).

Reprodução

São nidífugas, ou seja, seus filhotes nascem bem desenvolvidos e já com habilidade para dispersar do ninho. Os avestruzes são africanos, as fêmeas botam seus ovos no chão, em ninhos comunitários e chocam revezando com os machos. É o maior ovo de uma ave viva.

A Ema (presente na América do Sul) é a maior ave brasileira e os machos são responsáveis pela incubação e cuidado com os filhotes.

Rhea americana (Ema), uma ave ratita. Foto: Rosalba Matta-Machado / Shutterstock.com

Os Kiwis (nativos da Nova Zelândia), apesar de serem os menores das aves ratitas, botam o maior ovo, em proporção ao seu tamanho. São monogâmicos e ambos chocam um único ovo, por estação reprodutiva.

O Emu é encontrado na Austrália e também tem o macho incubando os filhotes, chegando a ficar dias e dias sem se alimentar, no cuidado com o ninho.

O Casuar é encontrado na Austrália, Nova Zelândia e ilhas por perto. O macho prepara o ninho, as fêmeas frequentam, copulam e botam seus ovos, deixam os machos cuidando e partem para novos ninhos.

Alimentação

No geral, são animais onívoros, alimentando-se de folhas, frutos, invertebrados e até pequenos vertebrados. No caso do Kiwi, são mais especialistas, procurando apenas invertebrados.

Referências:

Storer, Traci  i. et al. Zoologia Geral. 6ª ed. São Paulo. Companhia Editora Nacional, 2007.

Pough, F. H.; et.al. Livro: A Vida dos Vertebrados. 4a edição, editora Atheneu, 2008.

Sick, H.; P. Barruel. Livro: Ornitologia Brasileira. Editora Universidade de Brasília. 1984.

Arquivado em: Aves