Aves carinatas

Graduação em Ciências Biológicas (Unicamp, 2012)
Mestrado Profissional em Conservação da Fauna Silvestre (UFSCar e Fundação Parque Zoológico de São Paulo, 2015).

As aves são uma classe de animais vertebrados, que tem quem como característica básica a presença de penas. Desenvolveram o voo durante o Mesozóico, a partir de uma linhagem de dinossauros. Estudos mostram que as penas evoluíram antes do próprio voo, tendo primeiro a importância para a manutenção de temperatura corpórea, para depois terem função para voo. A classificação taxonômica é controversa, mas alguns estudiosos dividem as aves em dois grupos: Paleognathae (ratitas) que perderam a capacidade de voar e carinatas (Neognathae).

São conhecidas, em torno de 10.000 espécies de aves no mundo todo e no Brasil há registro de mais de 1900 espécies. Graças a sua capacidade de voar, ocupam todos os habitats terrestres, em todos os continentes. As regiões tropicais são as que abrigam a maior diversidade delas.

O pica-pau é uma espécie de ave carinata, pois tem a habilidade de voar. Foto: FJAH / Shutterstock.com

Características

As aves são animais cordados, vertebrados, bípedes, craniados, deuterostômios, alantoidianos, celomados, endotérmicos. Além de pena, possuem bico que varia em formato, conforme o tipo de alimentação da espécie; São pulmonados e têm um órgão chamado siringe (para o canto). A pele tem ausência de glândulas, exceto a uropigiana (produção de substância impermeabilizante para as penas) que aparece em muitas espécies.

As aves carinatas possuem diversas características morfológicas adaptadas para o voo. As asas são membros anteriores modificados para realização dele, têm cerebelo desenvolvido, esterno em forma de quilha, ossos pneumáticos (com cavidades de ar) e sacos aéreos. Não possuem bexiga (tornando-se mais leve para o voo) e excretam ácido úrico junto às fezes. Há presença de membrana nictitante para proteção dos olhos. O olfato é pouco apurado, na maior parte das famílias.

O sistema digestivo tem estruturas específicas como o bico (de queratina e sem dente), papo, proventrículo, moela e no fim a cloaca.

A circulação sanguínea é fechada, sendo que o coração possui quatro câmaras, sem mistura do sangue arterial e venoso. A artéria aorta possui curvatura para direita.

São dioicos, ovíparos, sendo que os ovos possuem casca calcária. A reprodução é sexuada e a fecundação interna. O comportamento reprodutivo varia de espécie para espécie, desde o acasalamento.

As aves usam o voo para se deslocarem, para buscar alimento, fugir de predadores e se reproduzirem. O formato das asas muda conforme o tipo de voo da espécie. As aves sofrem o que chamamos de muda de penas, que é a mudança de suas penas regularmente. A quantidade e a época em que haverá essas trocas, depende da espécie e às vezes, do próprio indivíduo. As penas se dividem em três tipos:

  • Rêmige- São as penas das asas, que permite a propulsão;
  • Retrizes- São as penas da cauda, que pode direcionar o voo e auxiliar na decolagem;
  • Tectrizes- São aquelas que contribuem para a manutenção da camada de ar, na cobertura da pele; os jovens possuem a penuguem.

Aves marinhas possuem glândulas especiais, chamadas de glândulas de sal, que eliminam o excesso de sal ingerido.

Alimentação

Por ser um grupo diverso, a alimentação também é bem variada, abrangendo os frugívoros (frutos, ou semente), nectarívoras, insetívoros, predadores de presa e de carcaça, etc. As aves possuem papéis ecológicos muito importantes, desde a dispersão de sementes, de algumas espécies, ao controle de pragas, como insetos, ou de presas, por predadores como os rapinantes e até da limpeza dos ecossistemas com os carniceiros, como os urubus. As espécies de hábito oportunista acabam lidando bem numa diversidade de habitas, enquanto os especialistas são mais sensíveis aos impactos ambientais.

As aves domésticas representam a maior fonte de proteína para o ser humano, mundialmente.

Conservação

Há declínio de muitas espécies nas últimas décadas, a maior parte das extinções são causadas pela perda de habitat. Além disso, esta classe de vertebrados é a que mais sofre com o tráfico de animais silvestres, sendo que muitas espécies são usadas como pet. As aves são prejudicadas pela poluição, pela caça predatória, colisões em aviões e vidros, entre outras atividades humanas. Espécies invasoras podem ser um problema para espécies nativas, ou mesmo para humanos, como os pombos.

Referências:

Pough, F. H.; et.al. Livro: A Vida dos Vertebrados. 4a edição, editora Atheneu, 2008.

Sick, H.; P. Barruel. Livro: Ornitologia Brasileira. Editora Universidade de Brasília. 1984.

Lista de espécies brasileiras, 2015. Disponível em: http://www.cbro.org.br/PDF/avesbrasil_2014jan1.pdf

Sekercioglu, Cagan Hakki (2006). In: Josep del Hoyo, Andrew Elliott and David Christie. Handbook of the Birds of the World. Barcelona: Lynx Edicions.

RIDGELY, R. S. & TUDOR, G. 1989. The birds of South America. Vol I. University of Texas Press: Austin.

SKUTCH, A. F. 1954. Life histories of Central American Birds. Pacific Coast Avifauna. n° 31. Cooper Ornithological Society: Berkley California.

Arquivado em: Aves