Pablo Neruda

Pós-graduada em Língua Portuguesa e Literatura (Mackenzie, 2016)
Licenciada em Letras Português-Inglês (FMU, 2012)

Nascido em 12 de julho de 1904, em Parral, no Chile, Ricardo Eliécer Neftalí Reyes Basoalto, mais conhecido como Pablo Neruda, foi um escritor chileno, considerado um dos mais importantes poetas da língua castelhana do século XX.

Também foi cônsul do Chile na Espanha e no México, e embaixador em Paris. Envolveu-se na política como senador, e desistiu das eleições presidenciais de 1945. Recebeu o Nobel de Literatura em 1971, e o Prêmio Lenin da Paz em 1953. Concederam-lhe ainda o título de Doutor Honoris Causa da Universidade de Oxford em 1965.

Ainda adolescente, adotou o pseudônimo de Pablo Neruda, inspirado no escritor tcheco Jan Neruda. Esse pseudônimo foi utilizado durante toda a sua vida, e tornou-se seu nome legal, depois de uma ação de modificação do nome civil.

Filho de um ferroviário e de uma professora, o autor ficou órfão de mãe assim que nasceu. Passou a sua infância em Temuco, no sul do país. Mais tarde, seu pai casou-se com Trinidad Candia Marverde, que é mencionada em diversos textos do autor com o nome de Mamadre.

Ainda em Temuco, Pablo Neruda estudou no Liceu de Homens, onde iniciou sua carreira com seus primeiros poemas do período regional “A Manhã”. Já em 1919, conseguiu o terceiro lugar nos Jogos Florais de Maule com o Poema “Noturno Ideal”.

Em 1920, o escritor começou a escrever para a revista literária “Selva Austral”, usando o seu pseudônimo de Pablo Neruda.

E em 1921, o poeta radicou-se em Santiago. Lá, ele estudou pedagogia e francês na Universidade do Chile, onde ganhou o primeiro prêmio da festa da primavera com o poema “A Canção de Festa”, que foi publicado depois na revista “Juventude”.

As suas obras foram responsáveis pelo o seu sucesso como poeta. Elas tratavam de temas sociais, éticos e políticos. Continham influência do modernismo e surrealismo, e falavam sobre morte, ruina, desintegração, mundo caótico, vida cotidiana, amor.

As suas principais obras são:

  • ”Crespusculário” (1923).
  • “Vinte Poemas de Amor e Uma Canção Desesperada” (1924).
  • “Residência na Terra” (1933).
  • “O Habitante e sua Esperança” (1936).
  • “Anéis” (1936).
  • “Tentativa do Homem Infinito” (1936).
  • “Espanha no Coração” (1937).
  • “Canto General” (1950).
  • “Os Versos do Capitão” (1952).
  • “As Uvas e o Vento” (1954).
  • “Odas Elementales” (1954).
  • “Cem Sonetos de Amor” (1959).
  • “Memorial de Isla Negra” (1964).
  • “A Espada Incendiada” (1970).

Em 1973, o general Augusto Pinochet (1973-1990) derrubou o presidente e amigo de Neruda, Salvador Allende. Nessa época, instalou-se uma ditadura militar no Chile. A casa de Pablo Neruda, em Santiago, foi saqueada, queimaram diversos livros do autor.

Amigos próximos informaram que, após esse episódio, a saúde do poeta, que estava com câncer de próstata, agravou-se.

Pablo Neruda faleceu no dia 23 de setembro de 1973, em Santiago, no Chile, por decorrência do câncer de próstata.

Porém, pessoas próximas dele acreditam que ele foi assassinado ainda no hospital, e outras informaram que ele morreu por tristeza, após o golpe militar. Porém, a versão do ditador Augusto Pinochet é de que o autor morreu devido ao câncer de próstata.

Em seu funeral, amigos fizeram diversos protestos contra o regime ditador de Pinochet, sendo mortos e desaparecidos pela ditadura mais tarde.

O autor encontra-se, hoje, sepultado no jardim da sua propriedade em Isla Negra, Santiago, no Chile. Ele está ao lado de sua esposa, Matilde Urrutia.

Arquivado em: Biografias, Escritores