Sandro Botticelli

Mestre em Artes Visuais (UDESC, 2010)
Graduada em Licenciatura em Desenho e Plástica (UFSM, 2008)

Sandro Botticelli foi um dos grandes nomes do início do Renascimento na segunda metade do século XV, embora sua arte tenha um tom mais sentimentalista e melodioso comparado as obras de Da Vinci ou Michelangelo.

Nasceu Alessandro di Mariano di Vanni Filipepi, em Florença no dia 01 de março de 1445. O nome Sandro é um diminutivo de Alessandro, no entanto o sobrenome adotado pelo pintor, possivelmente é uma derivação do apelido dado por seu irmão “Botticillo” que significa “pequeno barril”.

Pouco de se sabe sobre sua infância, porém sabe-se que na adolescência trabalhou em uma casa de ourives, oficio que aprendeu com seu irmão. Depois foi aprendiz de Filippino Lippi, um artista florentino, com quem iniciou sua carreira artística.

Em 1970, Botticelli já tinha seu próprio ateliê e sua fama se alargou. Também foi nesse período que se aproximou da rica família Médice, grande mecenas da região, que lhes encomendaram inúmeros trabalhos. Parceria esta que duraria até o fim de vida do pintor.

Foi um dos membros dessa família que lhe encomendou sua obra mais famosa O nascimento de Vênus. Acostumado com encomendas de obras de cunho religioso, Botticelli ousou em realizar uma quadro de grandes dimensões (172cm x 278cm) além de representar um mito greco-romano. Nessa pintura o artista retrata Vênus emergindo do mar numa concha em meio a uma chuva de rosas, pronta para colocar os pés na terra, recebida por uma ninfa.

O Nascimento de Vênus.

Botticelli recebeu várias críticas de artistas da época que consideravam sua Vênus deformada, considerando que Botticelli desprezou as correções da figura humana que tanto preservou em pinturas anteriores. No entanto sua Vênus é tão bela que pouco se nota o pescoço alongado ou o modo estranho como o braço esquerdo se liga ao corpo.

Botticelli seguiu firme em seu estilo particular, mesmo recebendo duras crítica até de Leonardo da Vinci que o criticava por violar os princípios geométricos, além da perspectiva.

É possível dizer que a produção de Botticelli está dividida em três temas: religiosos, míticos e retratos. São conhecidas cerca de 150 obras de sua autoria realizados em óleo sobre madeira, afrescos e desenhos. Assim entre suas obras de grande importância estão: Primavera; Minerva e o Centauro; Vênus e Marte; Jovem com uma medalha; Natividade Mística; A anunciação; Salomé com a cabeça de João Batista; A virgem o menino com seis anjos; Cenas da vida de Moisés; entre outras.

Botticelli não costumava assinar ou datar suas obras, em função disso, tornou-se difícil afirmar a autenticidade e a cronologia de seus trabalhos, já que o artista teve inúmeros discípulos que o ajudavam na execução dos trabalhos, mas que também, fizeram cópias.

Botticelli morreu solitário e quase esquecido em 17 de maio de 1510, sua sepultura se quer tinha uma lápide. No entanto, suas obras foram ressuscitadas no século XIX, quando artistas da época redescobriram o valor de Botticelli, valor este que se estende até o momento presente.

Referências:

Pinacoteca Caras. São Paulo: Editora Abril, 1998, nº 11.

GOMBRICH, E.H. A história da arte. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

Arquivado em: Biografias, Pintura