Animais pecilotermos

Mestre em Ecologia e Manejo de Recursos Naturais (UFAC, 2015)
Graduada em Ciências Biológicas (UFAC, 2011)

Ouça este artigo:

Um dos principais fatores que afetam as funções de um organismo é a temperatura. Se a temperatura corpórea fica muito baixa, o metabolismo fica lento e as funções do organismo ficam comprometidas. Por outro lado, um aumento na temperatura causa a desnaturação das proteínas e enzimas do corpo, podendo ser fatal. Por isso, os animais utilizam diferentes estratégias para regular sua temperatura corpórea. Os animais pecilotermos (ou pecilotérmicos) são aqueles que regulam sua temperatura corporal de acordo com a temperatura do ambiente, mas utilizam estratégias comportamentais para controlar essa variação. Esses animais obtêm calor de seus ambientes e não de seus alimentos.

Esses animais são chamados também de ectotérmicos, ou vulgarmente de animais de “sangue frio” (esse termo não está correto, deve-se evitar sua utilização). A pecilotermia é uma característica ancestral dos vertebrados, mas é tão eficiente quanto a homeotermia (mecanismo no qual os animais, chamados homeotérmicos, conseguem manter a temperatura do corpo constante, mesmo com as alterações ambientais). Geralmente a maioria dos animais, inclusive os invertebrados, são pecilotermos, somente aves e mamíferos são homeotérmicos.

Os pecilotermos apresentam uma zona de tolerância térmica, que é uma faixa de temperatura ambiental na qual o organismo pode sobreviver e apresenta melhores condições para se reproduzirem e se desenvolverem. Níveis de temperatura muito acima ou abaixo dessa faixa representam a zona de sobrevivência térmica, onde o organismo consegue manter-se vivo por um determinado período de tempo.

Para regularem sua temperatura corpórea, os pecilotermos precisam realizar mudanças comportamentais ao longo do dia. Os lagartos, por exemplo, ficam frequentemente expostos a radiação solar para obtenção de calor de forma direta, mas podem também ganhar calor indiretamente por convecção e condução através do contato com o substrato ou com o ar. Por isso ao longo do dias esses animais selecionam substratos adequados para repousar e escolhem o melhor horário para realizarem suas atividades. Um lagarto no deserto sai de seu esconderijo pela manhã para absorver o calor do sol. Quando o sol fica mais forte, o lagarto retorna à sua toca ou se esconde sob uma rocha e ao final da tarde ele reaparece para tomar banho sol.

Lagarto-de-gola (Chlamydosaurus kingii). Foto: Susan Schmitz / Shutterstock.com

Entre os pecilotermos, os anfíbios são bastante sensíveis às variações climáticas, pois possuem pele úmida e por isso são mais vulneráveis à desidratação quando expostos a luz solar direta ou a temperaturas elevadas. Durante o dia a termorregulação dos anfíbios envolve movimentos contra e a favor da exposição aos raios solares e movimentos de entrada e saída da água.

Os peixes mantêm sua temperatura corporal bastante próxima á temperatura da água ao seu redor. Qualquer variação nessa temperatura influencia os processos fisiológicos e comportamentais dos peixes. Diferentes espécies de peixes são adaptadas a diferentes níveis de temperatura, portanto elas habitam diferentes nichos dentro do ambiente aquático e quando necessário podem nadar para áreas com temperaturas mais adequadas.

O mecanismo usado pelos pecilotermos apresenta algumas vantagens em relação aos homeotérmicos, por exemplo: a demanda por alimentos é menor nos pecilotermos, já os homeotérmicos necessitam de maiores suprimentos energéticos, pois a energia necessária para manterem suas taxas de temperatura constantes provém dos alimentos. Assim, nos pecilotermos a maior porte da energia dos alimentos é convertida em biomassa (crescimento e produção da prole).

Outra vantagem é que as formas corpóreas encontradas comumente em pecilotermos são formas que aumentam a relação superfície/volume, que são os corpos alongados e achatados, que facilitam as trocas de calor com o ambiente. Essas formas corpóreas permitem que os pecilotermos acessem uma variedade maior de nichos não disponíveis aos homeotérmicos. Por outro lado, como dependem da temperatura do ambiente, os pecilotermos apresentam uma limitação com relação à sobrevivência em ambientes extremos, já os homeotérmicos podem viver nos locais mais frios do planeta. Os pecilotermos também são os mais afetados pelas mudanças climáticas.

Referências:

Rocha, N. C.; Moraes, I. A. Termorregulação nos animais. Homepage da Disciplina Fisiologia Veterinária da UFF. 2017.

Lichston, J. E., Meireles, A. L., Macedo, C. E. C. Nutrição Animal e Vegetal. 2 ed. Natal - RN: Editora da UFRN, 2012.

Arquivado em: Fisiologia