Divisão Cyanophyta (cianofíceas)

As algas cianofíceas são também chamadas de cianobactérias e algas azuis (do grego Kyanos = azul, Phyton = planta), portanto seus representantes normalmente possuem coloração azul, podendo apresentam também cores esverdeadas, avermelhadas ou enegrecidas.

Origem

As cianofíceas representam os primeiros organismos fotossintetizantes sem clorofila a e surgiram na Terra há cerca de 3,5 bilhões de anos. Podem ser responsáveis pelo aparecimento da camada de ozônio e pelo acúmulo de oxigênio na atmosfera primitiva. O aparecimento da camada de ozônio permitiu a evolução de organismos sensíveis à radiação ultravioleta, uma vez que ela retém parte desta radiação.

Há estudos de fósseis que datam do período pré-cambriano. Foram encontrados estromatólitos onde encontraram evidências destas algas.

Ambiente

A maioria das cianofíceas é aquática de água doce. As formas marinhas conseguem sobreviver em condições altamente hipertônicas e períodos de dessecamento. Algumas espécies de água doce conseguem sobreviver em condições extremas de temperatura, desde lagos antárticos até 64°C em fontes termais. As formas terrestres vivem sobre rochas ou no solo úmido. Algumas formam liquens, que é a associação de algas com fungos, outras se associam com vegetais ou com protozoários.

Morfologia e organização celular

Frequentemente o talo é unicelular, colonial ou filamentoso. Os talos filamentosos podem ser unisseriados, que são divididos em não ramificados e ramificados. Também podem ser plurisseriados. Estas formas filamentosas possuem uma seqüência linear de células, envolvidas por mucilagem.

Como são organismos procariontes, não possuem carioteca e o material nuclear (DNA) está disperso no citoplasma.

A parede celular é constituída principalmente de mucopeptídeo e é semelhante à parede celular de uma bactéria gram-negativa, sendo complexa e possuindo várias camadas.

A bainha é um revestimento mucilaginoso, que se encontra na parte externa da parede celular, que participa na absorção de elementos e os torna disponível para as células.

Os pigmentos fotossintetizantes se encontram nos tilacóides. Os pigmentos presentes nas clorofíceas são: clorofila a, ficobiliproteínas e carotenóides.

Apresentam amido como grânulo de reserva, que possui uma cadeia carbônica altamente ramificada. Apresentam também grânulos de cianoficina e grânulo de polifosfato.

A atividade metabólica da célula produz vesículas de gás, porém só ocorre em formas planctônicas, auxiliando na flutuabilidade.
As cianofíceas também apresentam ribossomos.

Reprodução

As cianofíceas podem se reproduzir por divisão binária, fragmentação, hormogonia, endosporia, exosporia e acineto.

- A divisão binária ocorre em todas as formas.
- A fragmentação ocorre em formas filamentosas e coloniais.
- Hormogônios: quando um fragmento de tricoma desliza pelo filamento todo até o final e se desprende, dando origem a um novo indivíduo. Está presente nas formas filamentosas.
- Endosporia e exosporia é a formação de esporos, diferindo no local da produção.
- O acineto é um esporo de resistência que acumula reserva.
- Não existe nenhuma forma de reprodução sexuada nesta divisão.

Importância econômica

As cianofíceas são grandes fixadoras de nitrogênio. Esta fixação de nitrogênio é feita por uma célula chamada heterocisto e ocorre em cianofíceas filamentosas. Podem fazer fotossíntese em condições aeróbias e anaeróbias, pois usam H2S como doador de elétrons.

Algumas algas azuis produzem toxinas, causando morte de animais como aves, peixes e mamíferos que ingerem água contaminada pela toxina. Produzem neurotoxinas que podem levar a morte por parada respiratória e hepatotoxinas que causam necrose e morte por hemorragia.

Arquivado em: Algas