Desprendimento de icebergs da Antártida

Mestre em Educação, Comunicação e Tecnologia (UDESC, 2016)
Graduada em Geografia (UDESC, 2014)

Os icebergs são grandes pedaços de gelo que se desprenderam de geleiras, por isso são formados de água doce, pois as geleiras são formadas a partir da acumulação de neve. Eles podem estar flutuando ou encalhados. Para se considerar um Iceberg o gelo deve estar a 5 metros acima do nível do mar.

As geleiras ocorrem onde a acumulação de neve, gelo e água ao longo do tempo é maior que a ablação, que é a perda ao longo do tempo de neve, gelo ou água. Essa acumulação pode ocorrer de diversas formas, desde precipitação de neve, gelo e água, até avalanches. Já a ablação ocorre através de derretimentos, evaporação, erosão eólica e desprendimentos, que é como os icebergs se formam, um pedaço da geleira, que pode ter até milhares de quilômetros quadrados, se desprende para o mar. Os icebergs de mais de dois quilômetros de extensão são comuns no Oceano Polar Antártico, mas por vezes grandes icebergs se desprendem, como foi notícia no inverno do hemisfério Sul no ano de 2017.

Iceberg A68 se desprendeu da Antartida em Julho/2017. Foto: NASA Earth Observatory

Um bloco de gelo de 5.800 quilômetros quadrados, chamado de A68, equivalente a um décimo da plataforma de gelo Larsen-C, a maior da península antártica, se desprendeu, formando assim um dos maiores icebergs da história. Os cientistas não conseguem definir se essa ocorrência se deve ao aquecimento global, pois este comportamento é natural nas geleiras, como exemplo no ano de 2002 um bloco de gelo de 11.000 quilômetros quadrados se desprendeu da Antártida e isso ocorre constantemente com blocos menores, portanto não existe uma opinião definitiva se estes grandes eventos são decorrentes de um aumento da temperatura no globo, ou simplesmente de um processo natural, pois o desprendimento de Icebergs é o principal meio pelo qual as plataformas de gelo diminuem sua massa.

Rachadura existente antes da separação do Iceberg, em Novembro/2016. Foto: NASA

Geleiras são massas de gelo e neve que se movem lentamente ao longo do tempo, de modo geral seu movimento ocorre da seguinte forma: durante o inverno a precipitação de neve ocorre constantemente e em grandes quantidades, principalmente nos pontos mais altos das geleiras. A neve se acumula sobre as camadas inferiores e compacta aquela neve até transforma-la em gelo. Essa pressão na parte superior da geleira faz com que lentamente o gelo seja empurrado pelos novos acúmulos e a inclinação do terreno leva ao deslocamento da geleira de maneira constante, descarregando esse gelo em movimento através de derretimento pelas temperaturas mais altas nas partes inferiores da geleira, ou derretimento em contato com a água, ou ainda desprendimentos de icebergs. Os tipos mais comuns de geleiras são mantos de gelo, plataformas de gelo, calotas de gelo, entre outras.

Por fim, o desprendimento de icebergs e o derretimento de plataformas de gelo não ocasiona a elevação do nível dos oceanos, pois estes já se encontram flutuando no mar. Apenas o derretimento de geleiras terrestres alteraria o nível dos oceanos.

Referencial Bibliográfico:

http://www.oeco.org.br/reportagens/tudo-o-que-voce-precisa-saber-sobre-o-iceberg-gigante-da-antartida/

SIMÕES, JEFFERSON C. Glossário da língua portuguesa da neve, do gelo e termos correlatos. Pesquisa Antártica Brasileira, v. 4, n. 119-154, 2004.

Arquivado em: Clima