Símbolos do Natal

Ouça este artigo:

Os símbolos de Natal são tradições características utilizadas na comemoração da data cristã. O feriado celebra o nascimento de Jesus de Nazaré, mas nem todos os símbolos têm origem no cristianismo. Os mais conhecidos são: a troca presentes, a ceia, a árvore de Natal, as guirlandas e o Papai Noel.

Desta forma, os enfeites simbólicos do Natal guardam inúmeras histórias e origens em culturas diferentes, fazendo de 25 de dezembro um dos dias mais esperados do ano, além de muito rico culturalmente. Antigas, estas tradições nem sempre são conhecidas em sua raiz.

Ceia

A ceia pode ser vista com origens nos banquetes celebrados pelos povos pagãos durante o solstício, que coincide com a data natalina. Porém, na tradição cristã, a ceia remete ao ato de reunir as pessoas no intuito da comemoração do nascimento de Jesus Cristo. É uma alusão ao fim da miséria a qual as pessoas passavam fome na antiguidade, simbolizando fartura. O ato de comer carne faz analogia ao corpo de Cristo, e os alimentos mais tradicionais são peru, outras carnes e muitas frutas. O lema da ceia cristã é “amai-vos uns aos outros”.

Papai Noel

O homem de barba branca, rechonchudo, vestido de vermelho e que entrega presentes no Natal é talvez o maior símbolo da data. Sua popularização com estas características ocorreu por meio de uma campanha de publicidade do refrigerante Coca-Cola, realizada em 1930. Embora bastante difundido na tradição cristã, o bom velhinho remete também à origem pagã.

O cristianismo indica que o Papai Noel surgiu da figura de São Nicolau, que estava sempre disposto a ajudar a todos, mas os povos pagãos já cultuavam a figura de Odin, que também é um velho corpulento, de barba branca e capa esvoaçante, bastante semelhante à figura do Bom Velhinho. Então, da combinação entre essas características, aliadas à publicidade do século 20, surgiu o Papai Noel.

Guirlanda

A origem das guirlandas pode ser vista nas folhas de louro utilizadas e bastante populares entre os romanos pagãos, visto que para Apolo – Deus do Sol – estas folhas eram sagradas. Para simbolizar vitória, os romanos antigos faziam uso de coroas de louros, e deste costume surgiram os enfeites sazonais colocados à frente das portas. Porém, na região norte do continente europeu, folhas de louro eram difíceis de ser encontradas, então no Natal eram colocados galhos verdes para a decoração das casas, trabalhados em formato e guirlanda na época do Natal.

Presentes

Com origem no ritual da Saturnália, a troca de presentes era realizada entre os romanos como forma de desejar sorte. Ao mesmo tempo, realizavam-se caridades na direção dos menos afortunados. Com o passar dos anos, o hábito de dar presentes acabou atrelado à data natalina e tornando-se um negócio lucrativo. No Natal, muitas famílias praticam o amigo-secreto, no qual o presenteado é revelado dentro de uma brincadeira com dicas.

Presépio

Este é um dos símbolos que tem origem pura na tradição cristã, com base no evangelho. A simbologia remete diretamente ao nascimento do menino Jesus, sendo os presépios reproduzidos em miniaturas durante o Natal. Apresentam os três reis magos, os pastores, animais e a manjedoura. Constam também as figuras de José e Maria acolhendo Jesus, ainda criança, em uma cabana em Belém. A tradição da montagem dos presépios originou-se na Itália, na qual este tipo de artesanato popularizou-se com facilidade devido ao forte catolicismo do país.

Sinos

Uma das músicas mais celebradas no Natal contém a frase: “bate o sino, pequenino, sino de Belém”. Isso ocorre devido ao fato que os sinos são muito utilizados na anunciação da festa natalina, na qual o seu badalar significa o momento em que nasceu Jesus Cristo, normalmente sendo tocados à meia noite do dia 24 para 25 de dezembro. O sino decora também as portas, as árvores de Natal e as igrejas adornadas para a celebração cristã. É costume que, no Natal, várias igrejas toquem os sinos ao mesmo tempo, anunciando de forma enfática a chegada do Messias.

Bolas de Natal

As famosas bolas de Natal, com diversas colorações, enfeitando os galhos das árvores de Natal, simbolizam a vida dos seres humanos, seus desejos e frutos como: alegria, perdão, esperança e amor. Com diversos formatos e cores diferenciadas, representam as atitudes entre os irmãos na religião cristã, sendo vistas como a concretização material da fraternidade nesta época do ano.

Arquivado em: Cristianismo, Cultura