Câncer anal

Graduação em Biologia (CUFSA, 2010)
Especialização/MBA em Análises Clínicas (Uninove, 2012)

O câncer anal ou câncer de ânus é considerado raro, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), corresponde a cerca de 1 a 2% dos canceres colorretais. Esse tipo de câncer está localizado entre os ânus e o reto. Pode ocorrer na borda do ânus ou no canal anal, até a transição com o reto. O tipo histológico mais prevalente é o carcinoma epidermoide, também chamado de carcinoma de células escamosas, representando 85% dos casos.

Assim como todos os tipos de câncer, a origem do câncer anal é decorrente de uma divisão celular descontrolada, onde as novas células formadas são atípicas e podem se multiplicar rapidamente. O principal fator etiológico é o HPV (papiloma vírus humano), porém, trata-se de uma doença multifatorial, então não é possível definir a infeção viral como única causa. Em geral, o câncer anal apresenta um bom prognóstico.

Sintomas

Entre os principais sintomas, o sangramento é o mais frequente, o que pode ser confundido com uma hemorroida, que também causa sangramentos, mas trata-se de uma condição benigna. Outros sintomas incluem coceira, dor pélvica, aparecimento de feridas, pressão ao redor do ânus e mudanças nos hábitos intestinais. Alguns casos de câncer de ânus podem não apresentar ser assintomáticos.

Diagnóstico

O diagnóstico inicial é a partir de um exame de toque, e caso o especialista considere necessário, os exames de anuscopia, que consiste na utilização de um equipamento chamado de anuscópio, introduzido no ânus a fim de examinar o canal anal e a proctoscopia, onde o interior do reto e ânus é visualizado com o auxílio do proctoscópio, e para a realização do exame é necessário o uso de laxantes, para que a visualização seja clara, são indicados. Outros exames de imagem, como tomografia e ressonância magnética podem ser realizados. Após, a biópsia é realizada para confirmação do tipo de câncer e o quão agressiva a doença é, para a que o melhor tratamento seja indicado.

Tratamento e prevenção

A indicação do tratamento depende da avaliação médica, de acordo com a gravidade do tumor, sendo levado em consideração o tamanho e a localização no ânus. As medidas dependem também do estágio em que a doença se encontra. Quando diagnóstico ocorre logo no início e o tumor é pequeno, a radioterapia é a mais indicada, tendo respostas positivas, com taxas superiores a 80% de cura. Em casos onde o tumor é maior, a combinação de radioterapia e quimioterapia são indicados. Atualmente, a cirurgia não a primeira opção de tratamento, sendo realizada em casos específicos de câncer invasivo. Pode ser realizada de forma parcial, onde apenas o tumor e uma pequena margem de tecido normal são retirados, ou total, denominada ressecção abdominoperineal (APR), com incisões no abdome e ao redor do ânus. A amputação do ânus implica na realização de uma nova abertura para eliminação das fezes, chamado de colostomia permanente ou bolsa.

Em casos onde o câncer está muito avançado, com metástase, ou seja, espalhado para outros órgãos, a quimioterapia para o controle da doença é indicada.

O aumento dos casos de câncer de ânus está associado a infecção pelo vírus HPV, que é responsável por uma doença sexualmente transmissível muito comum. A infecção pelo HPV está associada com vários tipos de câncer, incluindo o câncer de colo de útero, câncer de pênis, orofaringe e também de ânus, com impacto no aumento das taxas de incidência.

A utilização de preservativos é a melhor opção para prevenir a infeção pelo vírus, além de prevenir outras infecções sexualmente transmissíveis, que também podem ser relacionadas com câncer anal, como a gonorreia, herpes genital, clamídia, condilomatose, entre outras. A prática de sexo anal e o tabagismo, que está associado como fator de risco para o desenvolvimento de praticamente todos os tipos de câncer, também são relacionados com o aparecimento da doença. A vacinação contra o HPV está disponível para os jovens e é a melhor medida para evitar a contaminação e assim prevenir os cânceres associados com o vírus.

Fontes:

https://www.hospitalinfantilsabara.org.br/sintomas-doencas-tratamentos/cancer-no-ânus/

https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-anal

http://www.oncoguia.org.br/conteudo/sinais-e-sintomas-do-cancer-de-ânus/2630/299/

https://www.hcancerbarretos.com.br/cancer-anal

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.

Arquivado em: Câncer