Tratamento da dengue

Graduação em Biologia (CUFSA, 2010)
Especialização/MBA em Análises Clínicas (Uninove, 2012)

A dengue é uma doença viral, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, que causa um quadro febril grave. Existem quatro tipos de vírus causador da dengue com quatro sorotipos: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4.

São relatados muitos casos anualmente e a dengue é endêmica em mais de 120 países, causando 400 milhões de infecções e quase 20 mil mortes a cada ano. A identificação precoce desses quadros é importante para o controle dos surtos.

Por se tratar de uma doença com origem viral, não existe um tratamento específico para a dengue. O tratamento hoje realizado é baseado no alívio dos sintomas e desidratação.

As principais indicações médicas são a hidratação oral, com água filtrada, sucos de frutas, água de coco e soro caseiro.

O soro caseiro é fácil de fazer e ótimo para a hidratação do paciente. São utilizados 1 litro de água filtrada ou fervida, com uma colher de chá de sal e uma colher de sopa de açúcar, dissolvidos na água.

Os sintomas são combatidos com medicações para as dores no corpo e febre.

As medicações mais aplicadas são o dipirona, que controla a febre e o paracetamol.

O tratamento deve ser indicado pelo médico, pois diversos tipos de remédios não podem ser administrados, como os à base de ácido acetil salicílico, presentes no AAS ou Aspirina, pois podem ser potencialmente hemorrágicos e os anti-inflamatórios.

Caso surja os sintomas, que são semelhantes a uma gripe, mas não passam rápido e incluem febre alta em média 39° a 40°C, dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção, coceira e manchas vermelhas na pele, perda de peso, náuseas e vômitos e dores abdominais fortes e continuas, procure o serviço de saúde.

Uma vacina está disponível atualmente e protege contra os quatro sorotipos do vírus. A Organização Mundial da Saúde (OMS) indica a aplicação da vacina contra a dengue em municípios endêmicos, onde há maior incidência dos casos.

A vacina é atenuada, isso significa que é composta por vírus com baixo potencial patogênico, ou seja, são agentes vivos, mas enfraquecidos. Vacinas atenuadas são seguras, não causam a doença propriamente dita, e são utilizadas em uma variada gama de tipos de doenças infecciosas, como sarampo, rubéola e a varicela. A vacina da dengue é composta pelos quatro sorotipos vivos do vírus dengue, obtidos separadamente por tecnologia de DNA recombinante.

A vacina é indicada para crianças a partir de 9 anos e adultos até os 45 anos de idade e para indivíduos que já forma infectados por um dos sorotipos da dengue, isso porque a partir da segunda infecção, as chances de desenvolver o estágio mais grave da doença, a dengue hemorrágica, é maior.

São aplicadas três doses da vacina, com intervalo de seis meses.

A ANVISA pediu para que a bula da vacina comercializada até então fosse alterada, pois, após pesquisas sugeriram que pode causar problemas a quem nunca foi infectado pelo vírus, o órgão regulatório optou por restringir seu uso. A vacina é contraindicada então para pessoas que não tiveram contato prévio com o vírus da dengue e pessoas imunocomprometidas, em geral as vacinas atenuadas não são indicadas para esses pacientes devido a fragilidade do sistema imunológico.

A eficácia da vacina corresponde a 65,5%, considerada satisfatória e na prevenção dos casos de dengue grave e hemorrágica a cobertura chega a 93%. As reações adversas mais frequentemente relatadas foram: dor de cabeça, dor no local da injeção, mal-estar e mialgia.

É sugerido avaliar com seu médico a indicação da vacina, já que em pessoas vacinadas não infectadas previamente, foi observado um risco aumentado de hospitalização e dengue com sinal de alarme.

Atualmente a vacina pode ser encontrada em clinicas particulares.

Apesar de a vacinação ser uma medida de prevenção, ela ainda não é indicada para todos. O Butantã e outros órgãos no mundo estão realizando pesquisas para o desenvolvimento de novas vacinas. A melhor forma de prevenir a dengue continua sendo o combate ao mosquito transmissor.

Fontes:

https://drauziovarella.uol.com.br/drauzio/artigos/dengue-classica-dengue-hemorragica-e-dengue-com-complicacoes-artigo/

https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/vacina-dengue

https://saude.abril.com.br/medicina/anvisa-muda-indicacao-da-vacina-contra-dengue-quem-deve-tomar-agora/

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.

Arquivado em: Doenças